Jardim de Mariana será reaberto parcialmente na próxima quarta-feira (23)

Os tapumes que cercam a Praça Gomes Freire, o Jardim de Mariana, serão removidos na próxima quarta-feira, 23 de dezembro. Desse modo, a comunidade marianense poderá voltar a usufruir do espaço, agora revitalizado. De acordo com a Fundação Renova, a praça será reaberta gradativamente conforme conclusão das etapas da obra. A ação considera o cenário da Covid-19, visando evitar grandes aglomerações, e será executada de comum acordo com a prefeitura de Mariana.

A área dos lagos permanecerá cercada e algumas atividades pontuais continuarão em andamento, com os devidos procedimentos de segurança e isolamento. Atualmente, as obras civis estão em fase final.

A pintura do coreto, nas cores azul e branco, foi finalizada no dia 15 de dezembro. As cores foram escolhidas por votação popular. A travessia elevada na rua Barão de Camargos, que é parte do projeto de requalificação da praça e foi motivo de polêmica por causa do material primeiramente usado (e depois trocado), foi concluída no dia 7 de dezembro.

Apesar os avanços nas obras, a previsão de conclusão da requalificação da praça está para o primeiro bimestre de 2021.

+ Pavimentação de estradas com rejeitos de mineração melhora vias em Mariana

Após contato da nossa reportagem, a Fundação Renova informou que todas as licenças ambientais necessárias e aprovações com órgãos envolvidos para a requalificação da praça foram obtidas, e que as intervenções realizadas no local estão sendo acompanhadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A Fundação ressalta, ainda, que está ciente e avaliando todas as recomendações dos órgãos de tutela do patrimônio e do Ministério Público/Promotoria de Mariana.

Em 2019, o anúncio da revitalização do Jardim, apesar de tratado como um grande avanço pelos órgãos públicos marianenses, acabou trazendo muita discussão e dúvidas entre os moradores da cidade. Alguns aprovavam, outros discordavam das obras e era muito comum ver comentários questionando a aplicação de recursos em um local já “pronto”, como diziam os próprios marianenses. Na época, em entrevista exclusiva ao Mais Minas, o secretário de cultura, patrimônio histórico, turismo, esporte e lazer, Efraim Rocha, explicou que as verbas foram provenientes da Fundação Renova, com um destino já especificado. O dinheiro recebido é para investimento em praças, especificamente. Ou seja, não havia possibilidade do valor ser revertido para outras áreas.