23.4 C
Belo Horizonte
segunda-feira, 6 fevereiro 2023

Fogos de artifício x Animais de estimação: combinação perigosa para o fim do ano

Não é de se espantar quando ficamos sabendo do número de animais que fogem, somem e sofrem durante as festividades de fim de ano. Existem casos de emergência médica, de animais que vão parar em clínicas veterinárias com cortes, ao tentar atravessar portas de vidro, dentre tantas outras notícias pesadas. Também existem estudos científicos que examinam animais que sofrem com estresse agudo e fobias, bem como casos de animas que vão a óbito, por conta de ataques cardíacos. Portanto, se você sentiu um aperto no coração ao conhecer essas histórias, leia e repasse esse conhecimento.

- Participe da comunidade do Mais Minas no WhatsApp e seja o primeiro a ser informado de novas notícias. CLIQUE AQUI PARA ENTRAR.


Algumas cidades brasileiras contam com leis municipais que proíbem a soltura de fogos de artifício de estampido. A iniciativa favorece crianças e idosos com problemas de saúde, ou condições médicas, bem como animais de estimação que sofrem com o alto barulho do material. Em Mariana – MG, a câmara municipal já aprovou o texto da lei, e agora passa pela apreciação do prefeito em exercício. Assim que a lei for publicada no Diário Oficial do município, a mesma começará a entrar em vigor. Ainda que ainda não tenha sido publicada, a aprovação da lei na câmara já mostra uma pequena vitória da população protetora de animais.

Falando sobre os perigos dos fogos de artifício de estampido, a médica veterinária Kellen de Sousa Oliveira, presidente da Comissão de Bem-Estar Animal do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), conta, em comunicado para a imprensa, alguns cuidados especiais. De acordo com ela, filhotes são os principais atingidos pelo que ela chama “erro de sociabilização”. Durante os primeiros dias de vida, o animal pode desenvolver fobias a sons altos e não conseguem perder o medo. Ainda de acordo com a médica veterinária, quando a fobia é diagnosticada, alguns desses animais passam por processos de “dessensibilização ou contracondicionamento”. Porém, outros animais que não passam pelo processo acabam falecendo, ou tendo que viver com a fobia durante o resto de suas vidas, sendo um motivo de preocupação para seus tutores.

A formação dos ouvidos dos animais é diferente, comparadas tanto entre eles, quanto com os seres humanos. Algumas espécies conseguem captar frequências muito baixas. No entanto, mesmo que fisiologicamente o aparelho auditivo seja diferente, ou que alguns animais consigam ouvir mais que outros, a mesma frequência é defendida como um nível seguro, tanto para animais, quanto para humanos. Entidades de segurança e saúde ocupacional, além de médicos veterinários, defendem que até 85 decibéis é a frequência saudável. Acima desse valor, o ruído passa a ser uma ameaça, principalmente para humanos e animais com condições médicas. Para se ter uma ideia, 85 decibéis seria o equivalente a um secador de cabelo ligado, ou ao barulho de um caminhão. Os ruídos de fogos de artifício de estampido, dependendo da marca, ou estilo, alcançam os 175 decibéis.

O que posso fazer pra ajudar o meu pet?

Existem diversas formas de ajudar o seu pet, para que ele não sofra durante a queima de fogos. Uma delas, é conscientizar seu grupo de amigos e familiares a não soltarem fogos de estampido. Porém, se você não quer se preocupar em ser mal interpretado, ou não quer ter o trabalho de conscientizar seus grupos de amigos e familiares, algumas dicas do próprio Conselho Federal de Medicina Veterinária:

– Faça bastante passeios com o seu pet, estimule-o a gastar muita energia da forma que preferir, durante o dia, antes do evento;

– Não leve o pet para ver ao vivo a queima de fogos. Deixe-o em casa, solto de guias e com janelas e portas fechadas, com muito cuidado com materiais cortantes e um cantinho aconchegante onde ele possa se esconder e isolar o máximo de ruído;

– Durante a queima de fogos, deixe brinquedos, cobertores, camas, itens que o pet gosta, sempre em um local aconchegante e escondido, para que ele não sinta tanto medo;

– Se você assiste à queima de fogos em uma TV, ou rádio, certifique-se que o volume não esteja alto e sempre transmita tranquilidade e carinho, quando o pet se sentir acuado.

Algumas organizações da sociedade civil e protetores animais comemoram o avanço da discussão sobre a soltura de fogos de artifício, que já tem lei aprovada pela maioria de representantes na câmara municipal de Mariana. Vale lembrar que existem fogos de artifício silenciosos disponíveis no mercado. Alguns não chegam, sequer, aos 80 decibéis quando estão em processo de queima. Portanto, se você ainda é adepto à queima de fogos e show de pirotecnia, mas também não quer causar danos aos animais como um todo, é uma boa alternativa. Seja consciente e boas festas!

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar a posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: