23.3 C
Belo Horizonte
domingo, 4 dezembro 2022

Pedro Luiz Teixeira de Camargo
Pedro Luiz Teixeira de Camargo
Pedro Luiz Teixeira de Camargo (Peixe) é Biólogo e Professor, Dr. em Ciências Naturais e Docente do IFMG.

Ainda há resistência no ENEM

No último domingo 13 de novembro, foi realizado mais uma etapa anual do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), porta de entrada para estudantes de todo o país para as mais diversas Faculdades e Universidades brasileiras.

Atacado diversas vezes pelo atual governo que finalmente se encerrará dia 31 de dezembro do presente ano, diversos especialistas aguardavam uma prova conteudista, conservadora e para alguns, até mesmo reacionária.

Puro engano. O que vimos ontem foi mais uma prova que dentro dos responsáveis pelas questões, gerenciados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), também existe resistência ao desmonte educacional feito por Bolsonaro, Temer e sua trupe nos últimos seis anos.

Uma das maiores provas disso a tão temida redação. Com o tema “Desafios para a valorização de comunidades e de povos tradicionais do Brasil”, quem atua ou conhece um pouco da luta dos movimentos sociais pela educação nadou de braçada! Pior para os puxa-sacos daquele que ainda é presidente, pois com certeza ficaram perdidos com tal temática!

Mas não só no tema da redação que vimos isso. Houve uma questão citando diretamente a luta do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) pela reforma urbana e o cumprimento constitucional da função social da propriedade privada. Tal pergunta fez até mesmo seu principal líder e deputado federal eleito pelo PSOL, Guilherme Boulos, comemorar em suas redes sociais.

Outros assuntos importantes que tem permeado os debates na atualidade também foram lembrados, como a desigualdade de gênero, sempre importante de ser apontada e o racismo estrutural, uma das mais nocivas heranças que temos em nosso desigual país.

Ter um exame que é aplicado em todo território nacional apontado temáticas tão importantes como estas que comentamos é fundamental quando pensamos na importância da educação para a destruição de estereótipos equivocadamente construídos pela sociedade, causa satisfação a qualquer profissional ver tudo isso ser abordado em meio a um período tão obscuro como o que vivemos!

Cada um pode e deve fazer sua parte na luta por uma sociedade menos desigual e mais justa e, como vimos no ENEM 2022, até mesmo na confecção de provas podemos dar o nosso recado.

Um brinde aos elaboradores de questão do INEP!

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar a posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: