O que mais é preciso para o impeachment?

Não se trata de divergência ideológica. Sou contra tudo o que Jair Bolsonaro deseja para o país. Na verdade, tenho certeza que o Presidente não tem ideia do que deseja para o Brasil. Quem está por trás dele sabe muito bem. Mas a questão central são os fatos. A questão central são os crimes.

Ele dizia na campanha: “Tem que acabar com isso daí!”.

E está conseguindo. Padrões comportamentais minimamente civilizados de um chefe de qualquer nação democrática são completamente ignorados.

Apologia à tortura. Enaltecimento da ditadura empresarial militar que matou e desapareceu com brasileiras e brasileiros. Subserviência aos EUA. Desastre nas relações diplomáticas. Devastação do meio ambiente como política de Estado.

TÁLKEI? Precisa mais. Ou só pedaladas fiscais podem permitir um impedimento?

Conforme Lei nº. 1.079/50, que define os crimes de responsabilidade e seu julgamento, são considerados crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentarem contra a Constituição Federal, e especialmente contra: a existência da União, o livre exercício dos poderes, a segurança interna do país, o direito político dos indivíduos, a probidade administrativa, a lei orçamentária e o cumprimento das decisões judiciais.

Interferência nos órgãos de Estado para garantir a liberdade dos filhos. Apoio às ações antidemocráticas e contrárias às instituições como o Congresso e o STF. Ligação com as milícias do Rio de Janeiro. Negligência completa com a saúde pública. Atitude negacionista diante de uma pandemia devastadora. Mais?

Precisamos deixar claro que quem continuar apoiando Bolsonaro contribui com a fome, miséria e desemprego de milhares de brasileiras e brasileiros. Não se importam?

Precisamos explicitar que quem apoia este Governo tem as mãos sujas de sangue. São 210 mil mortes. Mais quantas?

O caos em Manaus pode se alastrar para o País inteiro. Há algum planejamento do Governo? As vacinas vão chegar? Nada. Este Governo não faz nada. Não sabe nada. Está perdido. Até hoje não reconhecem a existência da Pandemia do Covid-19. Estamos abandonados.

Enquanto isto a classe política e social que sustenta Bolsonaro continua lucrando com reformas e sucateamento do Estado. O porta voz da elite econômica paulista, o ex-presidente FHC, diz que não é momento para impedimento. As elites não se importam com o povo. Isto está claro e funciona como morrer sem conseguir respirar. Aos poucos, sem pressa. Vamos aguardar até 2022? Vamos esperar a classe política fazer algo?

*Esse texto não representa, necessariamente, a opinião do Mais Minas