Ultimate magazine theme for WordPress.

A iguaria que é a marca de Minas Gerais

Não existe preparação que represente melhor o povo mineiro do que o pão de queijo.

A origem do pão de queijo ainda é incerta. Há relatos de que a receita foi criada em Minas Gerais, no século XVIII. Nessa época, a farinha de trigo, que era importada e por um preço alto, muitas vezes chegava a Minas Gerais com péssima qualidade e por isso as cozinheiras passaram a utilizar a farinha de mandioca como substituta, e foi assim que o polvilho, subproduto da mandioca, foi sendo introduzido nas receitas.

Campanha Unimed

Devido à expansão da pecuária, havia uma grande disponibilidade de leite e derivados, dessa forma passou a se adicionar às receitas o “queijo curado”, que consistia no queijo endurecido que sobrava da produção das fazendas.

Com o aproveitamento do queijo curado e a adição de polvilho, surgiu o pão de queijo, que pode ser definido como uma derivação do biscoito de polvilho, já que além de não levar trigo também não passa pelo processo de fermentação, como ocorre na fabricação do pão. No entanto, a popularização desse nome se deve pela semelhança com o uso e formato do verdadeiro pão.

Outra história afirma que a receita do pão de queijo surgiu no período da escravidão, a partir da junção dos ovos e do leite, heranças dos portugueses, com a mandioca, que era considerada a base da alimentação indígena. Nessa mistura ia também o queijo, encarregado de dar sabor à massa. 

LEIA MAIS:  Pra receitas boas nunca faltam donos

A popularização do pão de queijo só aconteceu após o ano de 1950. Na década de 60, a mineira Arthêmia Chaves Carneiro disseminou a receita quando passou a fornecer o pão de queijo para bares e restaurantes de São Paulo; a partir daí a iguaria passou a ser consumida no Brasil inteiro.

Além de ser sucesso no Brasil, o pão de queijo é apreciado em mais de 50 países para onde é exportado. Além disso, podemos encontrar produtos parecidos com o nosso pão de queijo em alguns países da América Latina, dentre eles o pandebono, da Colômbia, que é um pãozinho achatado; a chipa, feita em formato de ferradura, típica do Paraguai e da Argentina, que é consumida geralmente acompanhada de mate ou chimarrão; e o pan de yuca, que tem o mesmo formato do nosso pão de queijo e é consumido no Equador, habitualmente acompanhado de iogurte de frutas.

A história do pão de queijo é carregada de tradições e tem considerável importância no desenvolvimento da culinária brasileira, sendo também um dos principais símbolos da hospitalidade mineira. Essa é inegavelmente uma iguaria que exemplifica com excelência o papel da alimentação na cultura de um povo.

Inscreva-se para RECEBER diariamente uma lista com as nossas principais notícias. É GRATUITO!

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais detalhes.

COMENTÁRIOS