16.8 C
Belo Horizonte
terça-feira, 9 agosto 2022

Olha a água mineral!

Quem nunca ficou um bom tempo em...

Água é tudo igual?

Quando falamos sobre água, geralmente pensamos naquela...

Preciso suplementar vitaminas?

Ao mesmo tempo em que a obesidade...
Portal Mais MinasColunasNutrição e AlimentaçãoO brasileiro e a feijoada: a origem

O brasileiro e a feijoada: a origem

Franciele Santana
Franciele Santana
Nutricionista, natural de Ouro Preto/MG, e uma admiradora da arte da escrita, almejo proporcionar saúde compartilhando meus conhecimentos de modo a agregar melhorias na vida do maior número de pessoas possível.

Com a queda da temperatura, ganha mais espaço no cardápio do brasileiro o famoso prato que combina super bem com o inverno: a feijoada.

A feijoada é considerada um dos principais pratos típicos brasileiros, sendo geralmente servida acompanhada por arroz branco, couve refogada, farofa e laranja.

A feijoada é composta basicamente por feijão preto, linguiça e diversas partes do porco. Esse prato é comumente apontado como uma criação culinária dos africanos escravizados que vieram para o Brasil, no entanto, historiadores e especialistas da culinária indicam que esse tipo de prato no qual se mistura vários tipos de carnes, legumes e verduras tem origem possivelmente da área mediterrânica à época do Império Romano. No mundo todo existem pratos similares como o cozido, em Portugal; o cassoulet, na França; apaella, à base de arroz, na Espanha; e a casouela e o bollito misto, na Itália. No entanto, a feijoada tem as especificidades da culinária brasileira.

O feijão preto é originário da América do Sul e a farinha de mandioca, também de origem americana, foi adotada como componente básico da alimentação pelos africanos e europeus que vieram para o Brasil.

A mais provável origem do prato vem da técnica europeia dos vários tipos de cozidos. Os portugueses reproduziram a receita usando o feijão preto, que na época era uma base importante da alimentação no Brasil e fizeram adaptações que resultaram na criação da feijoada, a qual teria se desenvolvido no final do século XIX e se difundido principalmente no Rio de Janeiro.

Por muito tempo considerou que a feijoada seria um prato criado nas senzalas, sendo disseminado o mito de que os senhores de escravos, quando matavam um porco para comer, deixavam para seus escravos as piores partes, como a orelha e o rabo. Porém, estima-se o que na época o que os escravos comiam era basicamente feijão com farinha. Essa história de que a feijoada foi criada por escravos foi propagada com o intuito de construir uma identidade nacional brasileira onde ocorre uma miscigenação e consequentemente contribuições culinárias de índios, negros e brancos.

Em suma, pode-se dizer que foram as ações modernistas para apagar a imagem de dominação de povos existente do país (caracterizada pelas classificações do branco senhor, o negro escravo e o índio massacrado) que culminaram na coroação da feijoada como o prato que representa o Brasil.

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar a posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Você pode gostar também:

Olha a água mineral!

Água é tudo igual?

Preciso suplementar vitaminas?

RECENTES

Veja também sobre: