O que você procura?


O item mais queridinho do cardápio

Franciele Santana 27 de abril de 2021 às 18:27
Tempo de leitura
3 min
Foto: Biblioteca de Imagens do Canva
Foto: Biblioteca de Imagens do Canva

Todo mundo tem os dias em que sente vontade de comer um docinho após as refeições. Hoje em dia a sobremesa é sempre um diferencial no cardápio, mas nem sempre foi assim.

Durante a Idade Média os banquetes eram fartos e longos, podendo durar dias. Neles, todas as diversas preparações (carnes, ensopados, legumes, pães, tortas, queijos, frutas e etc) eram dispostos à mesa ao mesmo tempo. Não havia diferenciação entre categorias de pratos e tudo era consumido na ordem que cada um preferisse. Essa fartura de doces e salgados era uma maneira de simbolizar a riqueza do anfitrião.

LEIA TAMBÉM:  Receitas caseiras para tratamento capilar: Quem sabe?

O termo sobremesa surgiu devido ao fato de que no intervalo das grandes refeições, os convidados eram entretidos com espetáculos de danças, apresentações musicais e teatrais e, enquanto isso, os anfitriões colocavam sobre a mesa para degustação frutas frescas, mel, cereais, dentre outras iguarias. Muitas vezes comia-se uma fruta ou um pedaço de queijo após um alimento salgado com o objetivo de limpar o paladar e prepará-lo para os pratos seguintes.

A ideia da sobremesa servida no final da refeição se deu após 1533, quando Catarina de Médici saiu de Florença para se casar com o futuro rei francês Henrique II, levando para a França muitos livros de receitas e seus próprios cozinheiros. A partir dela, a corte passou a permitir a participação de mulheres nos banquetes, adotar regras de etiqueta, comer com garfos e a saborear a sobremesa apenas ao final da refeição. Por influência de Catarina, a sobremesa passou a ser considerada parte importante de uma refeição, tendo esse status preservado até hoje.

LEIA TAMBÉM:  Aquele lanchinho rápido que às vezes a gente não resiste

Foi no século XIX que a ideia de apresentar os pratos numa certa ordem foi aceita completamente e os cozinheiros passaram a montar cardápios, que sempre eram finalizados com doces. Tal costume facilitou o trabalho dos chefs de cozinha, que até então não tinham uma ordem estabelecida para servir seus pratos. Além disso, tal ordem foi útil para quem saboreava as refeições, uma vez que assim evitava-se que a comida esfriasse.

Uma sobremesa pode ser uma fruta ou uma guloseima. Vários pratos podem ser considerados sobremesa, conforme a culinária, e costumes de cada região. O importante é satisfazer à vontade, mas sem se deixar levar pelo exagero, pois a sobremesa deve ser vista apenas como um pequeno complemento, o “gran finale” da refeição.

LEIA TAMBÉM:  A digestão começa na boca

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar à posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Última atualização em 3 de setembro de 2021 às 18:34