O que você procura?


Serviços de entrega de comida: uma antiga alternativa viável e precisa

A prática do Delivery atualmente vem se consolidando e tornando-se cada vez mais acessível, tendo a internet como uma importante aliada, que confere praticidade e comodidade, transformando em hábito o que antes era apenas necessidade.

Franciele Santana 18 de agosto de 2021 às 09:31
Tempo de leitura
3 min
Foto: Biblioteca de Imagens do Canva
Foto: Biblioteca de Imagens do Canva

Nada mais comum do que naqueles dias de preguiça e muita fome se lançar mão de pedir uma refeição por meio de algum serviço de delivery. Embora essa seja uma prática bastante recorrente nos dias atuais, pode-se afirmar que o serviço de entrega de comida já vem sendo executado desde tempos mais antigos.

Para se ter uma cozinha na época da Roma Antiga era demandado muitos gastos, sendo assim, essa não era uma opção para muitos trabalhadores. Assim surgiram os locais chamados Thermopolium, os quais ofereciam a comida já preparada, que ficava armazenada em potes de cerâmica em paredes de alvenaria, sendo mantida quente até ser buscada pelos clientes. Ainda não existia o serviço de entrega, no entanto, essa era uma opção semelhante ao sistema de retirada que conhecemos hoje como Take away, ou take out, que se tornou bastante popular sobretudo durante a pandemia.

LEIA TAMBÉM:  A digestão começa na boca

Em 1889, enquanto o casal de monarcas, Umberto I e Margherita, estava de visita em Nápoles, a rainha, famosa por ter um paladar muito exigente, pediu que alguém preparasse um prato da culinária local, algo que um cidadão comum comeria. Tal responsabilidade foi atribuída ao pizzaiolo Raffaele Esposito, dono de uma taverna chamada Pizzeria di Pietro e Basta Cosi.

Como não seria bem visto para a realeza a visita em um local como uma taverna, visto que lá eles estariam junto aos súditos, foram entregues no local onde a rainha estava hospedada três pizzas prontas, preparadas no forno da taverna. Uma dessas receitas levava tomate, muçarela e manjericão. Como agradecimento, a rainha retornou com uma carta, na qual ela descrevia e elogiava o sabor da pizza que posteriormente, em sua homenagem, foi batizada de Marguerita.

LEIA TAMBÉM:  E tudo acaba em pizza

Desde o século XIX, na Índia existiam os dabbawalas, que são rapazes entregam comida caseira no horário do almoço para trabalhadores. Tais entregas eram realizadas à trem ou com bicicletas, e as marmitas quentes eram retiradas da casa dos trabalhadores que não tinham tempo para ir almoçar em casa e levadas até o local de trabalho de cada um, sendo o recipiente devolvido vazio ao final da tarde. Esse sistema, que funciona até hoje, inspirou a entrega de marmitas que conhecemos hoje em dia e que são realizadas por motoboys.

Foi durante a 1ª Guerra, entre os anos 1914 e 1918, que a chamada ração militar foi entregue pela primeira vez aos soldados americanos nas trincheiras. As rações eram entregues em porções individuais, e armazenadas em latas, de modo a facilitar o transporte e o consumo.

Com o avanço da tecnologia em termos de embalagem e armazenamento e o surgimento da televisão em 1950, nos Estados Unidos começaram a surgir pedidos de comida de forma parecida com a atual: por meio de ligações. Já no Brasil, foi após 1980 que a prática do delivery ganhou destaque, por meio dos chamados “disk pizza”.

LEIA TAMBÉM:  Você tem certeza de que está com fome?

A prática do Delivery atualmente vem se consolidando e tornando-se cada vez mais acessível, tendo a internet como uma importante aliada, que confere praticidade e comodidade, transformando em hábito o que antes era apenas necessidade.

Com a correria dos tempos modernos, bem como a necessidade de distanciamento social imposta pela pandemia da Covid-19, a prática do delivery vai se evoluindo cada vez mais, por meio de plataformas, bem como outras formas de contato, ganhando, assim, cada vez mais adeptos ao redor do mundo.

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar à posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Última atualização em 10 de setembro de 2021 às 09:40