Como aplicar a logística reversa no meu negócio

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Resultado da Mega-Sena 2249, Quina 5238 e outras loterias de sábado (04/04)

Aconteceu na noite deste sábado, 04 de abril de 2020, os sorteios da Mega-Sena, Dia de Sorte, Quina e...

Estudante da UFOP é encontrado sem vida e primeiro exame para Covid-19 dá negativo

O corpo de um homem de idade ainda não informada foi encontrado na noite dessa sexta-feira (4) dentro de...

Coronavírus: crianças homenageiam profissionais da saúde de Congonhas

Os profissionais de saúde de Congonhas foram surpreendidos com palavras e desenhos de gratidão de dezenas de crianças congonhenses....

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

O ano de 2020 será um ano decisivo para a administração pública e iniciativa privada quanto ao manejo e tratamento dos resíduos sólidos. Isso porque o prazo da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei nº12.305 de 2010) está chegando ao seu limite quanto diversas metas estabelecidas.

Além da data limite para o fim dos lixões, outros aspectos de fiscalização podem ser intensificados, como o sistema de logística reversa necessários em alguns segmentos e indústrias.

Para quem ainda não se habituou ao termo, trata-se de um instrumento de responsabilidade ambiental e social e econômico em que fabricantes devem disponibilizar a coleta de embalagens de seus produtos, arcando com sua restituição ao processo produtivo ou promovendo seu tratamento adequado para este resíduo não seja descartado em aterros comuns.

Vale ressaltar que a logística reversa conta na obrigatoriedade das leis ambientais desde 2010, mas sua regulamentação ocorreu apenas em 2017, sob o decreto nº 9177, oficializando metas, além de aspectos operacionais como controles de registros, monitoramento, planos de comunicação e penalidades para fabricantes e importadores que descumprirem as exigências ambientais.

Todas essas medidas fazem parte de um acordo setorial da PNRS em que responsabiliza não só os fabricantes, importadores e fornecedores pela vida ciclo de vida dos produtos e resíduos, mas também envolve o consumidor final como corresponsável neste processo. Logo, em linhas gerais, a logística reversa é um caminho que depende de ações conjuntas entre empresas e seus consumidores para funcionar e impedir que mais resíduos afetem o meio ambiente.

Categorias de logística reversa

A logística reversa abrange não apenas produtos inutilizados, mas também suas embalagens. Alguns segmentos têm como norma a obrigatoriedade de elaborar todo o planejamento, operação, controle, fluxo e prestação de informações logísticas referentes ao recolhimento de seus resíduos gerados após o consumo de seus produtos.

Além da logística de produção envolve o uma cadeia de fornecimento, fabricação, distribuição, comercialização e o consumo, dentro do sistema de logística reversa o caminho segue o fluxo contrário, partindo de sua emissão pelo consumidor final até o fornecedor Inicial do resíduo.

Entre os setores que já aplicam a logística reversa na prática estão a indústria de agrotóxicos (incluindo suas embalagens), baterias e pilhas, óleos lubrificantes (incluindo suas embalagens), produtos eletroeletrônicos (e seus componentes), lâmpadas fluorescentes e pneus.

Upgrade na operação comercial

Empresas fora desses segmentos também estão apostando em logística reversa como mais um meio de se destacar entre seus concorrentes e mostrar ao seu o público-alvo, cada vez mais antenado e engajado às causas ambientais, que é possível se desenvolver comercialmente com responsabilidade ambiental.

Isso já ocorre nos segmentos de bebidas como cervejas, cosméticos, farmacêutico, vestuários, entre outros e pode se tornar um instrumento importante para a competitividade comercial.

Mas, para isso, os empreendimentos precisam desenvolver uma operação eficiente para recolhimento de seus resíduos pós-uso, elaborado por especialistas em gestão de resíduos em uma empresa.

Algumas soluções podem estar mais acessíveis, como o mercado de resíduos, iniciativa da VG Resíduos. A startup em tecnologia ambiental disponibiliza uma plataforma em fabricantes podem comercializar seus resíduos industrias diretamente com tratadores especializados em tratar e destinar este tipo de material.

Além de eliminar grandes quantidades de resíduos que poderiam ser descartadas sem tratamento adequado ou reutilizados na produção de novas matérias-primas, ainda é possível incrementar a receita do negócio.

Além disso, a VG resíduos também oferece softwares e ferramentas de gestão ambiental que viabilizam as melhores decisões e estratégia para a implantação da logística reversa em qualquer segmento.

 

- Advertisement -