O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Kalil oferece BH para sediar próxima Bienal do Livro: “aqui não se prende livro”

João Paulo Silva 9 de setembro de 2019 às 17:01
Tempo de leitura
2 min

Após polêmicas na Bienal do Livro, ocorrida no Rio de Janeiro durante 30 de agosto a 8 de setembro, o Secretário Municipal de Cultura de Belo Horizonte, Juca Ferreira, manifestou em seu perfil no Twitter, que o prefeito Alexandre Kalil teria oferecido a capital mineira para sediar o próximo evento literário. Ao fim de sua publicação, Juca escreveu: “aqui não se prende livro nem se cultua a ignorância”.

Essa foi uma manifestação após a tentativa de censura na Bienal do Livro, por parte do prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. No caso, uma ilustração presente no livro “Vingadores, a cruzada das crianças”, em que há um beijo entre dois personagens do sexo masculino.


O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF), no domingo (8), onde o presidente da Corte Suprema, ministro Dias Toffoli, derrubou a decisão do TJ-RJ que permitia o confisco de obras com temática LGBT que não estivessem lacradas.

Resistência

Várias pessoas que foram até a Bienal entoaram gritos de “não vai ter censura” e “Fora Crivella”, junto de bandeiras com o arco-íris. E ainda, teve até ‘beijaço’ entre os manifestantes para protestar contra a decisão do prefeito do Rio de Janeiro.

O youtuber Felipe Neto, com mais de 34 milhões de inscritos, também se manifestou e distribuiu 14 mil livros com a temática LGBT na Bienal. “O dia em que mandamos um recado claro para a censura e os opressores: vocês nunca irão calar o amor! O bem sempre vence e sempre vencerá. Foram 14 mil livros de temática LGBTQ+ distribuídos gratuitamente”, escreveu Felipe em seu perfil no Instagram.

https://twitter.com/felipeneto/status/1170485917125095424

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.