Região dos Inconfidentes ultrapassa marca de 40 mortes por Covid-19

As cidades de Itabirito, Mariana e Ouro Preto juntas somam mais de 40 mortes de vítimas da Covid-19 e mais de 3200 casos do novo coronavírus confirmados.

O boletim epidemiológico sobre a Covid-19 mais recente de Itabirito revela que o total de óbitos no município é de 12 para um total de 1.468 casos que testaram positivo. O total de recuperados é de 1231 e atualmente o município investiga 88 notificações, à espera de resultado de exames PCR.

Em Mariana há mais mortos para a Covid-19 do que Itabirito, já que o município registra 14 óbitos, até esta segunda-feira (17), para um total de 1281 casos confirmados. A cidade registra 1132 recuperados e 96 notificações sob investigação.

Ouro Preto é a cidade entre as três com o maior número de óbitos. No último domingo (16), a cidade histórica registrou a sua 18ª morte para a Covid-19 para um total de 510 casos confirmados. De acordo com o boletim divulgado domingo pelo prefeito Julio Pimenta, outros dois óbitos estão sob investigação.

Somando as três cidade, o total de óbitos é de 44, considerando o boletim de Ouro Preto referente a domingo e Itabirito e Mariana referentes a esta segunda-feira.

Taxa de ocupação dos leitos

De acordo com o boletim da Santa Casa de Ouro Preto divulgado nesta segunda-feira (17), a taxa de ocupação dos leitos Covid-19 no hospital é de 84,61%. No momento, a unidade de saúde abriga oito pessoas de Ouro Preto e três de Itabirito no seus leitos de UTI. Vinte e oito óbitos para o novo coronavírus foram confirmados pelo hospital durante a pandemia.

Como forma de prestar contas à sociedade e em cumprimento à recomendação do Ofício 225/2020/3PJOP da 3ª Promotoria de…

Posted by Santa Casa de Ouro Preto on Monday, August 17, 2020

Minas Gerais

No estado de Minas Gerais foram confirmados 91 óbitos nas últimas 24 horas e total chegou a 4.223. Até o momento o estado tem 175.715 casos confirmados, 29.374 casos em acompanhamento e 142.118 casos recuperados. Do total dos óbitos, 74% das pessoas apresentavam comorbidade e 78% tinha mais de 60 anos.