Prefeitura proíbe festas de Réveillon com aglomerações em Itabirito; município recua para onda vermelha

Prefeitura proíbe festas de Réveillon com aglomerações em Itabirito; município recua para onda vermelha
Imagem: Minas Consciente/Reprodução

Com o objetivo de garantir um fim de ano sem aglomerações e minimizar os riscos de contaminação da população por Covid-19, a Prefeitura de Itabirito decretou nessa terça-feira, dia 29 dezembro, a proibição de realização de festividades em locais públicos e em espaços particulares abertos ao público, como associações, clubes e casas de eventos, durante o Réveillon.

As medidas fixadas no Decreto Municipal nº 13.572 serão válidas entre os dias 30 de dezembro de 2020 e 1º de janeiro de 2021.

O descumprimento das determinações, incluindo tentativa de obstruir a atividade de fiscalização, resultará em suspensão ou cassação do alvará do estabelecimento, além de penalidades previstas na legislação municipal e federal.

Para minimizar o risco de contaminação em massa por Covid-19 no período de Ano Novo, prejudicando o acesso da população aos serviços de saúde, a Prefeitura de Itabirito, mais uma vez, recomenda a adoção de medidas como afastamento social e higienização frequente das mãos, além do uso obrigatório de máscaras.

Estado de calamidade pública

Na última quarta-feira, dia 23 de dezembro, a Prefeitura já havia decretado a prorrogação, por 180 dias, do prazo do estado de calamidade pública declarado no Decreto Municipal nº 13.147, de 24 de abril. A prorrogação será submetida à deliberação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Itabirito regride para a Onda Vermelha

O Comitê Extraordinário Covid-19, liderado pelo Governo do Estado, definiu, nesta quarta-feira, dia 30 de dezembro, o retorno da região Centro, na qual está inserido o município de Itabirito, para a Onda Vermelha do Plano Minas Consciente. Assim, nada menos que 9 das 14 regiões do estado encontram-se atualmente na onda mais restritiva do plano de retomada segura da economia. Saiba mais acessando este link.

A mudança passa a valer imediatamente, de acordo com o Decreto Municipal 13577. “Temos que cumprir as determinações do Plano Minas Consciente, do Governo do Estado, por estarmos dentro dos limites tanto da microrregião quanto da macrorregião Centro, que tiveram a regressão para a Onda Vermelha”, frisou Celina Rodrigues, procuradora jurídica consultiva da Prefeitura. Saiba mais acessando este link.

Na Onda Vermelha, somente os serviços considerados essenciais são permitidos, como:

Supermercados, padarias, lanchonetes, lojas de conveniência;

– Bares e restaurantes (somente para delivery ou retirada no balcão);

– Açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros;

– Serviços de ambulantes de alimentação;

– Farmácias, drogarias, lojas de cosméticos, lavanderias, pet shop;

– Bancos, casas lotéricas, cooperativas de crédito;

– Vigilância e segurança privada;

– Serviços de reparo e manutenção;

– Lojas de informática e aparelhos de comunicação;

– Hotéis, motéis, campings, alojamentos e pensões;

Construção civil e obras de infraestrutura;

– Comércio de veículos, peças e acessórios automotores.

Deixe um comentário

Rodolpho Bohrer

Rodolpho Julio Marci Bohrer é socio-fundador e diretor geral do Mais Minas. Estuda jornalismo na Universidade Cruzeiro do Sul e atualmente é repórter de política, cidades e loterias.

Contato: comunicacao@maisminas.org