O que você procura?


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Tudo é um trem! Por que o mineiro coloca o “trem” em tudo?

Elis Bohrer 23 de novembro de 2021 às 13:02
Tempo de leitura
6 min
Trem. Foto: Pixabay
Trem. Foto: Pixabay

O trem que o mineiro tem em falar trem é antigo, e por incrível que pareça, o costume de se expressar com essa palavra começou antes mesmo das locomotivas chegarem em Minas Gerais.

No século XVIII, devido a grande extração de minério em cidades como Ouro Preto e Mariana, o estado todo recebeu fortes influências de países estrangeiros e não apenas do colonizador Portugal, França e Inglaterra também participaram do processo de formação da cultura brasileira, juntamente dos índios e negros.

Pelos altos montes de Minas, de cidade em cidade é possível perceber que além do sotaque puxado, algumas palavras não são convencionais em outras regiões do Brasil. Esse fenômeno linguístico ocorre em diversas regiões do país, tendo em vista a pluralidade cultural do Brasil, podemos concluir até mesmo que cada estado possui uma forma única de se comunicar. 


“Esse trem não ficou bom não “, “Pega o trem aí pra mim, por favor”, “Estou avisando que esse trem não vai dar certo”, “Vou ter um trem”, “Fulano passou igual um trem”, “Não sei que trem ela tá hoje que não conversa com ninguém “, esses são alguns exemplos de como os mineiros costumeira conseguem encaixar a palavra trem em quase todas as frases, e o melhor de tudo é que mesmo sem mencionar o nome “trem”, conseguem se entender perfeitamente, sabendo a qual trem o outro está se referindo. 

Como o mineiro começou a falar trem? 

Lavagem de ouro de Itacolomi (século XIX). Gravura de Johann Moritz Rugendas

O mineiro começou a falar trem de tanto ouvir os franceses falando a palavra “train”, que no antigo francês se referia a trazer, ou seja quando queriam que trouxessem algo para eles dizia “train”. 

Em meados de 1816 os ingleses adotaram a palavra “train” para mencionar a locomotiva. 

Antes disso, no Brasil a palavra já existia, sendo escrita como “trem” ou “trein”, mas no sentido de trazer, puxar. Entretanto a palavra “pegou” mesmo no estado mineiro, que de tanto ouvi-la, começou a falar, para substituir qualquer coisa. 

O mais curioso é que o verdadeiro trem, o transporte, em Minas é chamado de qualquer coisa, maria fumaça, bicho, bichão, a coisa, menos de trem (risos). 

Logo, se você não for de Minas e porventura ouvir alguém dizer: “Pega os trem meu filho, que o bichão chegou”, não se espante, é apenas o mineiro sendo mineiro na sua essência. 

Outros “trem” de Minas 

Uma das obras dos “Doze Profetas” de Aleijadinho. Profeta Joel. Foto: Pixabay

Além do trem, em Minas também é muito comum ouvir o “uai” e o “sô”. 

O “uai”, assim como o “trem” pode ser usado em vários sentidos, para pergunta “uai?”, para expressar um susto “uai!”, ou qualquer outra reação, como tristeza, para concordar com alguém, “É isso, uai”, entre outras. 

Já o “sô” tem uma função única e especial, ele é bastante pronunciado para finalizar frases, “Você precisa fazer isso, sô”, “Você é muito bom nisso, sô”, “Isso está errado, sô”. Como podemos perceber é um complemento bem peculiar que o mineiro inventou. 

Bom “miêss” é quando os três dialetos se unem em uma frase só, “uai, esse trem é bom demais da conta, sô”. 

Curiosidades

Conjunto arquitetônico da Pampulha, por Oscar Niemeyer. Foto: Pixabay

Poucos sabem, mas em Minas Gerais a hortaliça ora-pro-nobis é chamada de lobrobó, que na verdade é um dos nomes científicos da folha. 

No estado da Inconfidência Mineira também é normal reagir a um susto com a palavra “nó”, que em cidades menores acaba virando “nú”. 

Outras palavras do mineirês

  • Creindeuspai
  • Encasquetar
  • Bobiça
  • Eis (eles) 
  • Ques (aqueles) 
  • Vão (vamos) 
  • Bem capaz ou capaz
  • Atazaná
  • Jacú
  • Paradeza
  • Treinheira

Tudo de Minas parece “bão”

Pão de queijo mineiro. Foto: Pixabay

Além das irresistíveis expressões mineiras, o estado oferece muita coisa boa. A começar pela comida típica, que é um dos atrativos turísticos que mais se destaca, além da beleza natural e das cidades. 

Conheça algumas iguarias das Gerais 

  • Doce de leite 
  • Goiabada com queijo 
  • Queijo de Minas 
  • Queijo Canastra 
  • Quiabo com frango e angu 
  • Feijão tropeiro 
  • Pão de queijo tradicional
  • Pão de queijo com linguiça 
  • Broa de milho
  • Bolo de fubá
  • Vaca atolada
  • Tutu
  • Torresmo
  • Leitão a pururuca
  • Bambá de couve
  • Frango ao molho pardo
  • Doce de abóbora com coco
  • Doce de figo

Cultura 

Instrumento de percussão para tocar congado mineiro. Foto: Pixabay

A cultura mineira é muito rica, na música ela contribuiu e contribui com os folclóricos ritmos congada e folia de reis, além do grande legado do Clube da Esquina, um movimento artístico musical que surgiu em Belo Horizonte, capital do estado na década de 60. Encabeçado por Beto Guedes, Milton Nascimento, Lô Borges, Flávio Venturini, Toninho Horta, entre outros. 

Depois deles, tiveram relevância nacional na música as bandas Skank e Jota Quest. Atualmente a artista mineira Marina Sena é uma das mais ouvida nas plataforma digitais brasileiras, ela ficou conhecida após lançar a música “Por Supuesto”. 

Mas não se engane, como está perto lá de “riba”, tem muito forró pé de serra pelas cidades mineiras. 

Minas também tem variações no que tange a dança. Além do grupo de dança contemporânea, Corpo, mundialmente reconhecido. Danças típicas como caxambu, catita, reisado, maneio pau, pastorinhas, entre outras, podem ser apreciadas. 

O mineiro é um povo muito hospitaleiro, que gosta de bater papo e é conhecido por contar os famosos “causos“, sempre de uma maneira emocionante e que prende quem ouve.

Muitos também são boêmios, por isso as noites mineiras geralmente são agitadas. 

Outra vertente artística forte no estado são os artesanatos. Em muitas cidades a pedra sabão é bastante exploradas, além do crochê, tricô, estanho e a madeira.

Minas Gerais é, sem dúvida, um trem de doido! 

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 23 de novembro de 2021 às 17:54