Aulas de Krav Magá vão além da autodefesa: ajudam no controle da ansiedade

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ao menos 18,6 milhões de brasileiros, cerca de 9% da população, sofrem de algum transtorno de ansiedade e no mundo esse número chega a 260 milhões. Já uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) nos meses de maio, junho e julho deste ano revela que 80% da população brasileira tornou-se mais ansiosa na pandemia do novo coronavírus. A pesquisa, que ouviu com 1.996 pessoas maiores de 18 anos de idade, foi divulgada nas redes sociais.

Tremores, cansaço, sensação de falta de ar, coração acelerado, suor excessivo, boca seca, tontura, insônia e náuseas são alguns sintomas do transtorno de ansiedade que podem ser tratados com a prática de exercícios físicos, aliados ao acompanhamento médico.

 “A atividade física de forma geral protege o organismo dos efeitos prejudiciais do estresse na saúde física e mental, e possui efeitos antidepressivos e ansiolíticos. Os exercícios de Krav Magá se enquadram nisso e vão além. Nas aulas são aplicados conceitos que no dia a dia trazem não só segurança, mas também melhoram nossa confiança e saúde mental”, explica Avigdor Zalmon, presidente da Federação Internacional de Krav Magá e responsável pelo ensino da arte no Estado de São Paulo.

De acordo com Zalmon, nas aulas são trabalhados exercícios que ajudam a desenvolver o controle emocional para avaliar com clareza e lidar com as diversas situações de perigo. Para quem tem transtorno de ansiedade essa é uma ferramenta chave, pois o aluno que pratica o Krav Magá vai conseguir aplicar esse conceito em sua rotina e ter essa ferramenta de escape nos momentos de crises.

“Durante as aulas ensinamos que não é simplesmente treinar e ir embora. Os conceitos ensinados devem ser aplicados na nossa rotina diária. Procuramos orientar os alunos para que tenham clareza em suas ações. Todos os novos são acolhidos e encontram no Krav Magá uma família, e deixamos claro que não estão sozinhos e que pedir ajuda também significa ter coragem”, afirma.

Segundo Zalmon, geralmente os alunos saem das aulas com um sentimento de euforia e uma sensação de leveza, por isso, o treinamento deve fazer parte da receita para melhorar a saúde mental. “Na verdade, aos poucos, os alunos vão descobrindo que após praticar Krav Magá, o cérebro deles funciona muito melhor e a sensação de felicidade invade o corpo com os treinos regulares, já que o exercício aumenta a produção de endorfina, reduzindo os níveis de stress, aliviando a ansiedade e a depressão”, finaliza.

Através dos treinos da Federação Internacional de Krav Magá o aluno aprende a se defender, superar o medo da violência e do bullying, recuperar sua autoestima e autoconfiança e andar mais seguro na rua.

A Federação Internacional de Krav Magá disponibiliza vídeos com aulas gratuitas em seu canal do YouTube e em suas redes sociais.