O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Governo Federal anuncia prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses

Rodolpho Bohrer 13 de junho de 2020 às 15:53
Tempo de leitura
2 min

Na última terça-feira (9), o ministro da Economia Paulo Guedes anunciou, durante a 34º Reunião do Conselho de Governo, a prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses. De acordo com o ministro, a continuidade no pagamento do benefício oferecerá ao setor produtivo a oportunidade de se preparar para a retomada das atividades e permitirá ao país entrar na fase de “decolar novamente”.

O auxílio emergencial é um benefício financeiro concedido pelo Governo Federal a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, e visa fornecer proteção no período de enfrentamento à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19. Inicialmente, a previsão era o pagamento de três parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras).


Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, havia informado que a eventual prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses deve elevar o custo do programa para um valor entre R$ 202 bilhões e R$ 203 bilhões.

Presidente vetará extensão do auxílio emergencial se Congresso fixar valor em 600 reais

Apesar do Ministério da Economia anunciar a prorrogação do auxílio, na última quinta-feira (11), o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que pretende vetar essa prorrogação caso o Congresso decida pela manutenção do valor de R$ 600. A declaração foi dada durante transmissão em rede social.

Para as novas parcelas do auxílio, o Ministério da Economia pretende reajustar o valor mensal para R$ 300, pois, segundo Bolsonaro, se o país pagar mais duas parcelas de R$ 600, o Brasil vai desenvolver “uma dívida cada vez mais impagável”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defende a manutenção dos R$ 600 mensais e já afirmou que, para prorrogar o auxílio com um menor valor, o governo federal terá de enviar um novo projeto de lei ao Congresso.

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.