O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Emicida, Pabllo Vittar e Majur juntos para o novo single ‘AmarElo’

Rodolpho Bohrer 25 de junho de 2019 às 13:15
Tempo de leitura
4 min

No mês do Orgulho LGBTQ+, Emicida lançou seu novo single, na madrugada desta terça-feira (25), em parceria com Pabllo Vittar e Majur.

O clipe para “AmarElo” também foi lançado hoje. E ele foi gravado no complexo do Alemão, um dos maiores conjuntos de favelas da Zona da Leopoldina, no Rio de Janeiro.


Também o novo disco do artista, leva o nome do single lançado, “AmarElo”, e está previsto para ser lançado ainda este ano.

Com letra que referencia as realidades vivenciadas pelos grupos negros e LGBTQ+, população que os artistas representam, o novo trabalho sampleia a letra de Belchior “Sujeito de Sorte”, música lançada em 1976 e que segue mais atual que nunca.

“Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro”. O refrão da música do cearense é interpretado na nova obra de Emicida e não nega as estatísticas:

Segundo o Atlas da Violência 2019 lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública – FBSP, 75,5% das vítimas de homicídio no Brasil são pessoas negras.

Já em relação à população LGBTI+, a gravidade da violência se dá, sobretudo, pelo silenciamento de entidades responsáveis pelos levantamentos de dados estatísticos.

O estudo afirma que não se sabe exatamente qual número da população LGBTI+ no Brasil, porque “o IBGE não faz qualquer pergunta durante as entrevistas realizadas sobre a orientação sexual. ”

No entanto, o Grupo Gay da Bahia realiza levantamentos sobre homicídios dessa população. Suas pesquisas mostram que, nos últimos seis anos (2011 a 2017), as denúncias de homicídios cresceram de cinco casos noticiados em 2011 para 193 casos de assassinatos.

A potência da letra

Emicida não para por aí. O artista não só insere Belchior na nova obra como completa a letra com o seu poema “Permita que eu fale não as minhas cicatrizes”.

“Permita que eu fale, não as minhas cicatrizes
Se isso é sobre vivência, me resumir à sobrevivência
É roubar o pouco de bom que vivi”

A letra, assim como a declaração de Emicida para o lançamento, busca levar força a essa população violentada diariamente “A ideia é que elas observem ao redor e se enxerguem maiores do que os seus problemas, independentes de quais sejam”, explica o artista.

Cheia de mensagens importantes que retrataram a realidade brasileira, a música fala sobre o amor, a luta e a força diante a diversidade do ser. O valor social que “AmarElo” possui irá provocar reflexões necessárias à realidade brasileira.

Veja a obra dos artistas:

Saiba mais

Emicida, Pabllo Vittar e Majur juntos para o novo Single AmarElo

Capa do single ‘AmarElo’, de Emicida Crédito da Imagem: Divulgação

A capa do single remete propositalmente o primeiro álbum “Ainda há tempo” (2006) do artista e amigo de Emicida, Criolo.

Além de “AmarElo”, a faixa “Eminência Parda”, com participações da cantora Dona Onete e dos rappers Jé Santiago e Papillon, também faz parte do novo projeto de Emicida.  Ouça a música aqui.

“Eminência Parda” movimentou as plataformas de streaming. Porque Emicida, um mês após divulgar a canção, lançou o making of do clipe dirigido pelo mineiro Leandro HBL.

A música conta a história de uma família negra e bem sucedida que ao sair para comemorar a formatura da filha recebem olhares de desaprovação. Eles vivenciam o racismo ao entrar em um restaurante chique cujo os frequentadores do local são todos brancos.

Emicida, Pabllo e Majur vão apresentar “AmarElo, no MTV MIAW 2019, evento que acontece no dia 4 de julho. Dessa forma, as expectativas para a apresentação dos artistas são as melhores possíveis.

O encontro dos três no palco, não só trará representatividade ao evento, como também levantará, de certo, discussões a respeito do crescimento alarmante de crimes contra os grupos sociais que os três artistas, Emicida, Pabllo e Majur estão inseridos.

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.