O que você procura?


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Natural de Mariana, Mo Maie lança disco gravado no Senegal

O álbum Bambala Bambala nasce do encontro entre a musicista e compositora Mo Maie e o grupo senegalês Sobobade Band, formado por mestres tradicionalistas e músicos do Oeste Africano.

Rômulo Soares 12 de novembro de 2021 às 20:31
Tempo de leitura
3 min
Foto: Facebook / Mao Maie
Foto: Facebook / Mao Maie

Inovador, pluridiverso e futurista, “Bambala Bambala” foi criado a partir de vivências e diálogos sonoros, pautados em trocas criativas e experimentações, fusionando linguagens e ritmos tradicionais do oeste africano com a música popular brasileira e a world music, entre 2018 e 2021, no Senegal, Mali e Brasil. Trata-se do primeiro disco da cantora mineira Mo Maie. 

Performer, multi-instrumentista, escritora, pesquisadora, artesã de instrumentos musicais africanos, a artista é natural de Mariana, primeira cidade de Minas Gerais, e radicada na Bahia, desde 2012.

Idealizadora da plataforma criativa Djalo Musica Nomad, em sua caminhada desenvolveu diversos trabalhos em parceria com artistas, redes criativas e comunidades no Brasil, África, América Latina, Oriente Médio e Europa.


O álbum “Bambala Bambala” vem celebrar mais de 30 anos de sua carreira como compositora, em uma vida dedicada às artes, à educação e à cultura popular afro-brasileira e nômade.

“Este trabalho representa um grande desafio e também um marco em minha caminhada, não apenas enquanto musicista, compositora e produtora, mas como pessoa, mesmo. Com o apoio do Programa Ibermúsicas, realizamos os registros na África, em 2020 e com o apoio financeiro da Lei Aldir Blanc Minas Gerais 2020, realizamos a finalização da obra, em Minas e na Bahia”, disse a cantora.

Segundo Mo Maie, o apoio da Lei Aldir Blanc foi fundamental no processo de finalização do disco. Para ela, considerando a quantidade e qualidade dos projetos realizados com o apoio dessa lei no Brasil em 2020 e 2021, este ano foi um marco na estória da produção artística nacional. “A criação e preservação de políticas públicas para as artes e cultura é fundamental para o desenvolvimento de um país, afinal a arte representa a maior expressão da identidade de um povo”, complementa a artista.

À parte de “Ndawrabine’, tema tradicional do povo senegalês lebou, as demais composições do álbum são originais e inéditas, de autoria de Mousseke Le Polivalent (Senegal) e Mo Maie, tecidas a partir de diferentes matrizes e influências musicais, tendo por fio condutor a natureza e memórias transatlânticas. 

Os temas são cantados em Wolof, Brasileiro e Francês, transmitindo aos ouvintes atmosferas de World Music, entre paisagens e texturas sonoras que conectam a música popular brasileira, o reggae, o desert blues, o afro jazz, nos relembrando que a música não tem fronteiras.

O álbum Bambala Bambala foi lançado no dia 13 de setembro, no canal Djalo Musica Nomad, no YouTube, onde também foi  lançado o videoclipe do tema “Ndox”. Veja o clipe:

O disco já está nas principais plataformas do streaming e também disponível para download gratuito no site oficial de Mo Maie.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.