20.9 C
Belo Horizonte
terça-feira, 27 setembro 2022

“Amor, voy a salir con una prima”: o que tem por trás da trend de milhões?

Música que traz uma discussão entre casal viralizou nas redes sociais esta semana

Banda mineira está entre as três vencedoras de concurso de música da Gerdau e vai tocar no Rock in Rio

O grupo Trio Ariás, de Divinópolis, se apresentará em um pocket show no espaço da Gerdau no Rock in Rio Brasil 2022, dia 11 setembro, na Cidade do Rock.
Portal Mais MinasEntretenimentoMúsicaSambista Pirulito da Vila, de Itabirito, lança clipe gravado no Rio de Janeiro

Sambista Pirulito da Vila, de Itabirito, lança clipe gravado no Rio de Janeiro

“Um disco do dia a dia do povo brasileiro, que cai e dá a volta por cima e no final tudo tá nas mãos de Deus”, resume o cantor e compositor Pirulito da Vila, nome artístico de Gilmar Steferson de Jesus, que está lançando o seu segundo CD solo. Intitulado “Tá nas mãos de Deus”, o disco possui 13 músicas com letras de situações da rotina do brasileiro, tendo como trilha sonora o estilo musical mais difundido e democrático do Brasil.

Nesta quinta-feira, 16 de dezembro, Pirulito da Vila lançou o clipe da faixa “Ó Deus” no Youtube. Veja:

Pirulito da Vila tem se destacado entre os músicos mineiros pela sua criatividade, versatilidade, profissionalismo e número de composições das quais várias em parcerias com Bira Presidente, Fabinho do Terreiro, Cabral, Ricardo Barrão, Chapinha do Samba da Vela entre outros, canções estas que já foram gravadas por outros artistas como Marquinho Sathan, Marina Gomes, Ricardo Barrão, Cachaça com Arnica, Zé da Guiomar, Grupo Tradição, entre outros. Além de ter seus sambas gravados em Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro.

“Tá nas mãos de Deus” tem direção artística de Marquinho Sathan, um dos melhores intérpretes do samba do país, com dois discos de ouro na época que era necessário vender mais de um milhão de cópias, recebeu “Prêmio Sharp” como melhor intérprete e recebeu por cinco vezes o Oscar do Samba em SP no projeto “Os Melhores do Ano”. Milton Manhães assina a produção musical, que já produziu trabalhos de Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal, Beth Carvalho, Cartola, Arlindo Cruz, entre outros. Os arranjos e regência são de Alceu Maia, que já trabalhou com Leci Brandão, Martinho da Vila, Clara Nunes e Chico Buarque.

Milton Manhães parabeniza Pirulito da Vila pelo lindo trabalho. “Eu não paro de ouvir. É um dos melhores trabalhos que eu já fiz. Alto nível. Está sendo uma honra muito grande fazer esse trabalho com o Pirulito”. A música “Pro Nosso Show Continuar” tem ainda participação especial de Marquinho Sathan. “Tive novamente a honra de participar da produção e ainda dividir uma das mais brilhantes faixas do CD, Apesar de não residir nos grandes centros urbanos de divulgação artística, como São Paulo e Rio de Janeiro, e estar escondidinho na aprazível Itabirito, o poeta não se furta a usufruir da constante inspiração que o invade a todo instante. O mineirinho abusa do direito de saber compor. Mais um trabalho digno de ser ouvido e reproduzido nas rodas de samba desse país que respira esse ritmo quente, sob a voz do povão”, ressalta Marquinho.

Bira Presidentes, um dos fundadores do grupo Fundo de Quintal, tocou pandeiro em duas músicas do disco, em “Ó Deus” e “Pro nosso show continuar”. Pirulito comenta da satisfação de ter a sua filha Júlia na música “Pra Cantar Partido Alto” e ressalta que criança sempre traz sorte. “Eu fiz essa música há um tempo atrás imaginando a Júlia indo cantar no samba comigo. Nos tempos de hoje ainda há discriminação com as mulheres no samba. Me orgulho muito dela”, afirma. Marquinho afirma que todas as músicas serão sucesso, entretanto, ele ressalta que “Na laje”, “Abre essa porta” e o samba que homenageia Arlindo Cruz “Pro nosso show continuar” já estão na boca do povo. “Pitoresca pitada de humor e samba no estilo antigo pra gente sentar e ouvir tomando aquela boa pinga mineira, cerveja gelada e um bom torresmo pra acompanhar”, resumo Marquinho.

O disco “Tá nas mãos de Deus” foi gravado no Estúdio Méier no Rio de Janeiro, com produção musical de Milton Manhães, direção artística de Maquinho Sathan, arranjos e regência de Alceu Maia, produção executiva/assessoria de imprensa de Gilson Fernandes, tendo Daiana Augusto como assistente de produção e gestão do projeto da Holofote Cultural. O projeto foi patrocinado pelo Governo de Minas Gerais por meio da Secretaria Estadual de Cultura e Turismo via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Para ter acesso às 13 faixas do disco basta clicar aqui.

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: