O que você procura?

Atlético espera arrecadar R$ 140 milhões com transferências em 2022

Rômulo Soares 24 de dezembro de 2021 às 13:48
Tempo de leitura
4 min
Foto: Pedro Souza / Atlético
Foto: Pedro Souza / Atlético

O diretor de futebol do Atlético, Rodrigo Caetano, falou sobre possíveis vendas de jogadores em 2022. Em entrevista ao programa 98 Futebol Clube, da Rádio 98, ele explicou que transferências são necessárias para cumprir com as previsões orçamentárias e para a obtenção de recursos. Porém, o dirigente também deixou claro que o clube vai repor as possíveis saídas.

“Nosso objetivo é a manutenção de quase toda a base do elenco, mas não vamos conseguir e talvez nem possamos fazer isso. Sempre também é benéfico fazer algumas mexidas, que sejam poucas, com a intenção de manter o nível. Nossa intenção é manter o nível do elenco e ser competitivos, mas, em investimento, é provável que não ocorra caso não tenhamos nenhuma venda. É muito mais uma reposição”, disse Rodrigo Caetano.


O diretor de futebol celebrou o grande sucesso esportivo do Atlético em 2021, com as conquistas do Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Brasileirão. O Triplete Alvinegro proporcionou uma premiação de quase R$ 150 milhões, o que diminuiu a necessidade de realizar vendas ainda neste ano.

“É ter cuidado em relação ao nosso orçamento. Que bom que as competições equilibraram o que não atingimos de objetivos na venda de atletas. Precisamos estar sempre atentos para não extrapolarmos o orçamento”, complementou o diretor.

Até então, a maior venda já feita na história do Atlético foi do atacante Bernard, em agosto de 2013. Ele foi vendido por 25 milhões de euros, o que correspondia a R$ 77 milhões na época e R$ 161 milhões na correção pelo IPCA em 2021. O Galo ainda negociou o lateral-direito Emerson com o Barcelona por 12,1 milhões de euros (R$ 50,8 milhões) em janeiro de 2019.

“Isso é um processo. Participei da gestão de outros clubes, em que um clube grande, com uma marca importante, tinha em sua história de quase 100 anos uma maior venda na época de US$ 8 milhões. De lá para cá esse clube tem feito vendas extraordinárias. Acredito muito que você vencendo e formando, pode demorar um pouquinho, mas passará a ser um clube bom vendedor. Também faz parte do histórico do clube e temos que ter isso como um selo de qualidade”, comentou Rodrigo Caetano.

No orçamento para 2022, aprovado pelo Conselho Deliberativo, o Atlético estipulou uma previsão de arrecadação de R$ 140 milhões com transferências de jogadores, além de R$ 163,6 milhões de transmissão, imagem e premiação; R$ 53 milhões de bilheteria; R$ 30 milhões de sócio Galo na Veia; R$ 52,1 milhões em patrocínio/marketing e R$ 8,2 milhões em outras receitas. A soma de tudo isso dá em R$ 447 milhões.

O Atlético tem ativos valiosos em seu elenco, como o volante Calebe, o meia Dylan Borrero, os atacantes Savarino e Savinho. Porém, o jogador mais valorizado do Galo é o lateral-esquerdo Guilherme Arana, que foi campeão olímpico com a Seleção Brasileira neste ano e é cotado para ser titular na Copa do Mundo de 2022. Segundo a TNT Sports, o Leeds, da Inglaterra, estaria disposto a pagar 23 milhões de euros – quase R$ 150 milhões – pelos direitos econômicos do camisa 13. Porém, o presidente Sérgio Coelho garantiu à Rádio 98 que não recebeu nenhuma proposta recente por qualquer atleta.

Além de Arana, outros jogadores, como Hyoran, Nathan e mais, estão sendo procurados no mercado. Saiba todos os atletas que podem deixar o Atlético em 2022 clicando aqui.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.