19.5 C
Belo Horizonte
quarta-feira, 28 setembro 2022

O futuro dos campeonatos estaduais

Veja quais são os principais problemas que os campeonatos estaduais possuem que podem causar o seu fim
Portal Mais MinasFutebolAtléticoA importância dos volantes na ofensividade do Galo

A importância dos volantes na ofensividade do Galo

O Atlético conquistou seus 3 primeiros pontos no Campeonato Brasileiro ao vencer o Vitória por 2 a 1 nesse último domingo (22), no estádio Independência. E um detalhe importante foi a ofensividade imposta pelo time alvinegro, que buscou vencer a partida desde os primeiros minutos.
O técnico Thiago Larghi disse que essa foi, de fato, uma estratégia de jogo, e que sempre fez parte do ‘estilo atleticano’.
“A gente falou que o time ia ser ofensivo jogando dentro de casa. Como eu falo desde o meu início aqui. O perfil do Atlético é de ser ofensivo, é um time que a torcida gosta que jogue pra cima e pressione alto. As características do clube a gente tem que respeitar. Assumir isso e fazer o melhor possível para conseguir”, avaliou o técnico.
A partir dessas palavras fica um tanto claro que, pelo menos nas partidas em casa, a filosofia atleticana vai ser de buscar o ataque, característica que, de fato, agrada a torcida alvinegra, acostumada a empurrar o time contra seus adversários. No jogo contra o Vitória nesse último domingo, Larghi apostou numa formação com  2 volantes, (Adilson e Gustavo Blanco), junto com mais 2 jogadores de meio que possuem características mais ofensivas; (Luan e Otero).
Apesar desses jogadores compondo o meio e, teoricamente, sendo mais ofensivos, (Luan e Otero), vimos em muitos momentos o Menino Maluquinho, que é sempre muito prestativo (diga-se de passagem), apoiando na marcação defensiva pelos lados do campo, a exemplo do que já fazia nos tempos de Marcos Rocha no Galo.
No primeiro gol Atleticano, tivemos o volante Gustavo Blanco se lançando na ponta esquerda para fazer um belo cruzamento para o Artilheiro Ricardo Oliveira poder marcar de cabeça, porém essa ‘liberdade’ de Blanco, que tem muita habilidade, se deve bastante a essa dedicação de Luan que se dispõe a ajudar não somente no ataque, mas como também na defesa.
Outra opção para o meio em termos de ofensividade é a entrada de Elias que, apesar de  também ser volante, tem muita qualidade com a bola no pé e sabe chegar de trás, finalizando à gol. Já Adilson e o recém contratado Matheus Galdezani, tem mais características de marcação, atuando, principalmente, como primeiro volante. A partir disso, outra possibilidade que Thiago Larghi também tem é de poder atuar com 3 volantes, deixando um deles um pouco mais avançado, Elias ou Blanco, por exemplo. Mas tudo isso depende de combinações com outros jogadores para o meio de campo, (Luan, Cazares e Otero), ou até mesmo Erik que, a exemplo de Roger Guedes, também é atacante, porém joga mais recuado, deixando, consequentemente, Ricardo Oliveira mais fixo dentro da área.
Conclusão – Deste modo, o “resumo da obra’ é entender que o sucesso do time do Atlético esse ano vai passar diretamente por esses 4 volantes, mesmo com o time sendo mais ofensivo e, por isso, a fase de cada um deles se torna crucial para todo elenco, ficando a cargo do treinador decidir quem vai jogar ou não. Óbvio que as 11 peças que entrarem em campo vão ser fundamentais para a vitória, afinal, ninguém ganha só com volantes, claro! Mas pode anotar, torcedor, que esses 4 jogadores vão ser peças-chave para o ano do Galo, especialmente sob comando de Thiago Larghi.
Leia também:

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: