O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Dono de empresa é preso em flagrante por mineração clandestina, em Mariana

No local, em plena operação, os grandes torrões de minério de ferro eram britados, peneirados e estavam sendo transportados para uma siderúrgica em Sete Lagoas quando foram pegos pelos órgãos de segurança.

Rômulo Soares 18 de outubro de 2021 às 20:05
Tempo de leitura
2 min
Foto: Guarda de Policiamento Ambiental
Foto: Guarda de Policiamento Ambiental

Uma empresa foi pega em flagrante pela Guarda de Policiamento Ambiental Municipal por mineração clandestina no último sábado, 16 de outubro, em frente ao aterro sanitário de Mariana, em direção a Bento Rodrigues. Foram encontrados pelos órgãos de segurança: o proprietário, o encarregado da obra, os condutores de dois caminhões e um mecânico. Porém, apenas o dono foi preso, pois o restante tinha apenas contrato diário e não era funcionário fixo da companhia.

No local, em plena operação, os grandes torrões de minério de ferro eram britados, peneirados e estavam sendo transportados para uma siderúrgica em Sete Lagoas quando foram pegos pelos órgãos de segurança. Ainda não foi descoberto o destino exato da mercadoria e as investigações continuam.


De acordo com a Guarda de Policiamento Ambiental, a empresa tem algumas outorgas do Estado, mas não tem a autorização de Unidade de Tratamento Minerário (UTM), nem declaração de conformidade com o Município. Mesmo que a companhia tivesse todas as licenças para funcionar, é preciso ter a autorização da Prefeitura de Mariana, através do código ambiental da cidade que se dá com a Secretaria de Meio Ambiente.

Ainda conforme o Mais Minas apurou junto à Guarda de Policiamento Ambiental, os caminhões, de sete toneladas cada, estavam saindo do local carregados. A planta de mineração da empresa estava em funcionamento, bem como duas máquinas, uma retroescavadeira e uma carregadeira.

A continuidade da operação “Fe26”, como é chamada, agora, é de responsabilidade da Polícia Federal, porque o recurso minerário vem da União Federal. A Guarda explica que, após a prisão, todas as informações colhidas foram encaminhadas para o Ministério Público, Polícia e Receita Federal, que vão fazer a investigação para realizar a triagem e levantamento de todos os lugares envolvidos na mineração clandestina.

O minério de ferro e demais materiais foi embargada tanto pela Guarda quanto Polícia de Meio Ambiente de Mariana. Veja fotos da operação:

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 18 de outubro de 2021 às 20:40