O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Morro da Queimada terá tombamento do estado de Minas Gerais

Rodolpho Bohrer 11 de dezembro de 2019 às 15:08
Tempo de leitura
4 min

Neste ano de 2019 é comemorado o tricentenário de criação da Capitania de Minas Gerais. As celebrações já começaram no início do mês de dezembro e, dentro da programação, o Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG) vai pedir o tombamento estadual do Morro da Queimada, sítio arqueológico de Ouro Preto, na Região Central do estado. Isso porque o local foi um dos lugares da Sediação de Vila Rica, em 1720, um dos principais momentos para a criação das Capitanias Mineiras, pela Coroa Portuguesa.

Denominado inicialmente como Morro do Ouro Podre ou Morro do Pascoal Silva, o Morro da Queimada passou a ser assim conhecido após a execução da demolição e incêndio das casas de Pascoal da Silva Guimarães e dos participantes da Sedição de 1720, decretada pelo Conde de Assumar.


O motim de 1720 visava a deposição do conde e a formação de um novo governo nas Minas Gerais. As demolições e o incêndio, no entanto, não extinguiram a vida no Morro da Queimada. Ele permaneceu ocupado durante os séculos 18 e 19, longa duração testemunhada entre outras evidências pela tipologia de suas ruínas. Dada a importância do espaço, o O morro da Queimada já está no perímetro de tombamento Federal de Ouro Preto feito pelo IPHAN em 1938.

Importância do tombamento

Agora foi proposto o tombamento pelo Estado de Minas Gerais, sendo este ato de grande importância para a politica pública de salvaguarda do bem pelos entes públicos. Para o Secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto, Zaqueu Astoni, a proposta do governo estadual é recebida com bons olhares pela cidade. “Vejo que o tombamento estadual do Morro da Queimada vem contribuir para a salvaguarda do bem, pois assim o estado de Minas Gerais se tornará legalmente responsável pelo espaço em conjunto com o Governo federal e o Município, destacando que graças a sedição de Vila Rica tivemos a criação da capitania de Minas Gerais. O Morro da Queimada é um dos mais impressionantes sítios que compõem o território histórico, ecológico, simbólico, poético e econômico de Ouro Preto. Está ligado ao achamento do ouro recoberto por uma camada de óxido de ferro, o fabuloso ouro preto, no final do século XVII, na região das nascentes do rio das Velhas, fio condutor da bandeira de Antônio Dias de Oliveira e do padre João de Faria Fialho. Foi o cenário inicial da cidade, ao acolher os empreendimentos urbanos logo levados à frente por milhares de pessoas atraídas pela grande descoberta de 1698”, declarou o secretário.

Hoje, a gestão do espaço é realizada pela Secretaria de Meio Ambiente, com a participação de um Conselho Gestor com representantes do poder público e sociedade civil. A Secretaria de Cultura e Patrimônio, em parceria com outros órgãos, vem buscando recursos necessários para a implantação do projeto de recuperação do espaço e implantação dos equipamento necessários para a Parque através de financiamento externo.

“O grande desafio para o poder público em suas várias esferas é a busca pelo financiamento do valor necessário para a implantação do Parque, o que certamente vai contribuir para uma nova dinâmica no projeto em andamento, potencializando os esforços no sentido de trabalhar as suas diversas dimensões: do turístico ao cultural, do científico ao ambiental e do econômico ao social”, informa o secretário.

O Parque Municipal Natural Arqueológico do Morro da Queimada foi transformado em parque em 2008 e possui o tombamento federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). E agora, também haverá o tombamento pelo Estado de Minas Gerais.

Leia também: Trem da Vale entre Ouro Preto e Mariana terá programação especial no mês do Natal

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 16 de setembro de 2021 às 19:04