18.4 C
Belo Horizonte
domingo, 27 novembro 2022

Jogo entre Brasil e Suíça será transmitido em praça pública em Mariana (MG)

Jogo acontece na segunda-feira, 28, a partir das 13h

Ouro Preto registra 204 novos casos de Covid em uma semana

Essa quantidade de casos confirmados representa uma média de 29 casos por dia.

Socorrer para sobreviver

São inúmeros os riscos envolvendo cães e gatos soltos nas ruas e uma das principais ocorrências é o atropelamento dos bichinhos. Nesses casos, é extremamente importante que tomemos providências o mais breve possível, já que quanto mais rápido o animal for socorrido, maiores serão as suas chances de sobrevivência. Porém, o que mais vemos são motoristas ignorando esse tipo de acidente e não prestando socorro aos animais.

Com o objetivo de sensibilizar as pessoas quanto a segurança no trânsito, o Instituto de Defesa dos Direitos dos Animais (IDDA) participou do 1º Dogtran, que aconteceu no dia 21 de setembro, em Mariana. O evento, realizado pela Demutran, em parceria com a IDDA, a Guarda Municipal, o Centro de Acolhimento de Animais (CAA), Prefeitura Municipal de Mariana e comércios parceiros, trouxe ao público informações sobre as responsabilidades no trânsito relacionadas aos animais.

Para a presidente da ONG IDDA, Luciana Salles, a conscientização é fundamental para que as pessoas tenham responsabilidade e humanidade para prestar o devido socorro ao animal vítima de atropelamento. “Seja ele um cão, um gato ou um cavalo, todas as espécies de todos os portes devem ter direito a esse socorro. Um animal que está na rua não tem consciência nem maldade do risco que corre vagando pelas vias públicas”, explicou.

Devemos lembrar que também é considerado maus tratos: abandonar animal doente, ferido, mutilado, bem como deixar de oferecer-lhe tudo o que for humanitariamente possível, inclusive assistência veterinária.

Bidu e Tininha também participaram do evento para reforçar a necessidade do socorro. Os dois cãezinhos foram vítimas de atropelamento na cidade e não foram socorridos pelo condutor, mas, felizmente, foram resgatados por voluntarias da IDDA, levados a uma clínica veterinária parceira e sobreviveram. A dupla foi adotada e já está distribuindo amor em seus novos lares.

Bidu perdeu um das patinhas e Tininha carrega cicatrizes, os dois são vítimas da negligência humana – Crédito da foto: Arquivo | IDDA

 

PASSEIO SEGURO –  Para um passeio seguro e confortável com seu pet é preciso estar com acessórios corretos. Uma das dicas é usar a coleira de peitoral ao invés da que prende o animal pelo pescoço. A coleira de pescoço não é tão segura e se o cão puxar muito, pode causar uma lesão na traqueia. Para a escolha da guia, a recomendação é que ela seja mais curta, para dar mais controle ao tutor durante o passeio. O uso de uma plaquinha de identificação também é interessante caso o seu amigo escape.

CUIDADOS PARA O TRANSPORTE EM CARRO – O transporte indevido do seu animalzinho no carro não causa apenas a perda de pontos na carteira e uma multa para pagar, pode gerar acidentes graves e colocar em risco a sua segurança e a do seu pet. O tutor deve transportar o seu bichinho dentro de caixas adequadas ao tamanho do animal, as casinhas devem estar presas ao cinto de segurança adaptado. Outra opção é o cinto para transporte de animais que fica preso diretamente ao conector de cinto do carro.

 ONG IDDA – Mariana/ Ouro Preto

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar a posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: