Limpadores de lápides protestam ao serem impedidos de entrar em Cemitério em Belo Horizonte

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

Cadastro para receber auxílio emergencial de R$ 600 começará na terça-feira (7)

O Governo Federal lança na próxima terça-feira (07.04) um aplicativo para os trabalhadores sem cadastro nos programas sociais inserirem...

Como higienizar compras feitas por delivery durante a quarentena

Os brasileiros que já estavam se adaptando aos aplicativos que oferecem o serviço de delivery de comida pronta, como...

Praça da Liberdade e Parque JK são interditados pela Prefeitura de Belo Horizonte para evitar aglomerações

A partir do próximo sábado (4), a Praça da Liberdade, no bairro Funcionários, e o Parque JK, no bairro...

Lateral-direito Patric anuncia sua saída do Atlético para o Sport

O lateral-direito Patric, até então jogador do Atlético, foi anunciado como novo reforço do Sport Recife. O anúncio foi...

Na manhã deste sábado (2), pessoas que limpam as lápides e os túmulos nos cemitérios, conhecidos como “enxadinhas”, foram proibidos de entrar no Cemitério da Paz, no bairro Alto Caiçara, em Belo Horizonte, e fizeram um protesto em frente ao local. Eles queriam realizar os serviços de limpeza das lápides, como o de costume no Dia de Finados, e foram barrados pela Polícia Militar e fiscais executivos, já que a atividade não é autorizada pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Em fala concedida ao O Tempo, o limpador de caixa d’água Jeferson Aleixo, de 37 anos, desabafou: “Todo ano no dia de finados a gente vem fazer o nosso serviço aqui. O cemitério não faz o trabalho de capina e eles não ajudam a as pessoas a encontrar o lápide dos familiares. Nós fazemos isso. Eu preciso desse dinheiro. Eu tiro mais ou menos 200 reais aqui neste dia. A gente não cobra nada é o valor que a pessoa quiser dar de coração”.

Ontem (1), o diretor de necrópoles da Fundação de Parques de Belo Horizonte, Wellignton Geraldo da Silva, já havia dito que a atividade é irregular, já que “Esse serviço causa infiltrações, quebra as lápides e quem vai ser responsabilizado e obrigado a pagar é o concessionário do túmulo”, explica.

Há placas no local informando que a atividade não é permitida, pois, como dito acima, os “exadinhas” fazem de uma forma diferente que a forma que o cemitério faz.

Pessoas que limpam lápides protestam ao serem impedidas de entrar em Cemitério em Belo Horizonte
Crédito da foto: Rogério Maurício

Veja o vídeo do protesto:

 

- Advertisement -