O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Natura propõe movimento feminino #SouMaisQueUmRótulo

Carla Cruz 30 de agosto de 2019 às 21:46
Tempo de leitura
5 min

A campanha da natura, #SouMaisQueUmRótulo, divulgada na última semana de agosto, propõe a reflexão de um hábito comum da sociedade: rotular pessoas. A ação está circulando desde o último sábado (24), nos anúncios de TV e vídeos no Youtube. Nas imagens divulgadas, 18 mulheres aparecem retirando “rótulos” da pele, como “inconstante”, “agressiva”, “dramática” e “sensível”.

Personalidades femininas fortes como Cléo Pires, Iza e Kyra Gracie fazem parte da campanha, com outras mulheres, para falar sobre o tema, que na atualidade, o universo feminino é um dos maiores alvos destas rotulações.


O movimento #SouMaisQueUmRótulo, criada pela agência Africa, faz parte de uma nova etapa de divulgação da marca, trazendo um conceito de pluralidade: “Você não é uma só. Nem a sua pele”. A produção da campanha foi feita pela YOURMAMA, com direção da dupla FIGAS, com o intuito de chamar a atenção das mulheres que são rotuladas pela idade, pela personalidade, aparência ou pelas atitudes.

A linha Natura Tododia busca abordar discussões sobre a aceitação da mulher sobre si mesma pela autoestima. A ideia é romper com rótulos impostos pela sociedade, deixando a rotina e os pensamentos femininos mais leves. Afinal, as mulheres são donas de si mesmas e precisam estar além de uma imposição social.

A rotulação feminina é fato, e por muitas vezes, rotuladas por algo que não são, por algo que não se identificam ou por algo que a sociedade impõe. Vários destes adjetivos apresentados na campanha são usados frequentemente quando alguém vai se referir a uma mulher.

A sociedade, muitas vezes superficial, enxerga aquilo que quer enxergar. Diversas vezes, as pessoas não estão dispostas a “mergulharem” na personalidade do outro, ou no seu ponto mais íntimo. Preferindo manter relações rasas, em um mundo cercado de rotulações.

As redescobertas íntimas diárias, rotuladas de “inconstâncias”, a quebra de uma imposição da sociedade de uma imagem “delicada” de mulher, rotulada de “agressividade”, ou até mesmo o contrário, como dias emotivos rotulados de “drama” ou “sensibilidade”.

Assim como citou Cléo Pires em seu perfil do Instagram, “Todas nós temos o direito de mudar, de errar, de questionar, de sermos quem a gente quiser, hoje e sempre!”

A quebra das rotulações

Quando pensamos na rotulação de um “corpo capa de revista”, difundido por campanhas publicitárias, idealizamos um corpo jovem, magro, belo e sem qualquer tipo de imperfeições. Além da ideia de que, quanto mais esculpido for o seu corpo e quanto mais dentro do padrão você estiver, mais feliz e bem resolvida você será.

Entretanto a campanha da Natura vem quebrando com esse cenário. A produção audiovisual te convida a quebrar rotulações. Com um elenco 100% feminino, entre mulheres brancas, negras, loiras, morenas, de cabelo liso, cacheado, trançado, colorido, de corpos magros ou gordos, o vídeo afirma que ser mulher é muito mais que viver padrões e aceitar rótulos, é ser autêntica, quebrar rótulos, não sendo capaz de caber em uma única definição.

“De tão automático o comportamento, não percebemos o quanto rotular nos faz mal e nos limita”, explica Sophie Schonburg, diretora executiva de Criação da África. “Com essa campanha, queremos falar sobre o assunto, estimular a reflexão e mostrar que podemos desafiar os rótulos que nos dão”, complementa.

Cléo Pires homenageia e agradece em seu Instagram, a sua mãe, e a diversas outras mulheres. Estimulando que o universo feminino se livre também dos rótulos. “Para todas as mulheres que libertaram-se dos rótulos, fica aqui registrado o meu muito obrigada, vocês me inspiram a não me limitar pela opinião machista e rasa dos outros sobre mim”.

Cleo Pires

Cléo Pires – Crédito da foto: reprodução/Instagram

Kyra Gracie, lutadora brasileira, pentacampeã mundial de Jiu-Jitsu e primeira mulher da família a conquistar uma faixa preta na modalidade, e a competir ativamente no esporte, também fez parte da campanha, e afirma em suas redes sociais a felicidade em fazer parte do movimento. “Muito feliz em fazer parte dessa campanha linda de @naturabroficial ❤️Curtiram? #SouMaisQueUmRotulo”

Kyra Gracie

Kyra Gracie – Crédito da foto: reprodução/Instagram

A campanha que vai além

Indo além dos famosos, dos anúncios de TV e dos vídeos no Youtube, a campanha da Natura atingiu diversos internautas, entre eles, diversas mulheres que, hoje, depois de muito cuidado e trabalho para quebrar padrões, rótulos e tendências, se sentem felizes sendo quem verdadeiramente são.

A corrida pela perfeição é muitas vezes, uma corrida sem linha de chegada. A busca pelo corpo ideal, pelo cabelo perfeito ou pela pele mais bem cuidada, nunca vai ser capaz de ser cem por cento eficaz e feliz, uma vez que, o que é considerado bonito deve ir muito além dos padrões impostos pela sociedade. O corpo ideal, o cabelo perfeito e a pele mais bem cuidada, cabe a pessoa, dona de si mesma, se sentir bem e feliz.

Os rótulos impostos pela sociedade deixam de fazer sentido, a partir do momento em que você aceita quem você é. Quando você deixa de participar da corrida pela perfeição e aceita que os rótulos são poucos demais, para uma pessoa que é tanto, você se transforma e quebra com opiniões rasas de algo que nunca vai te definir.

A #SouMaisQueUmRótulo, da Natura viralizou na plataforma do twitter e incentivou diversas mulheres, confira:

https://twitter.com/wftma/status/1165847462474649600

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.