Moradores de Antônio Pereira fecham a MG-129 em protesto contra a Vale, em Ouro Preto

A terça-feira (12) começou com uma mobilização dos moradores do distrito de Antônio Pereira, em Ouro Preto, que se manifestaram contra a mineradora Vale na manhã de hoje.

Os manifestantes fecharam a MG-129, na entrada da Vila Samarco, pedindo a remoção de mais 25 famílias que, segundo eles, foram cadastradas pela Vale como moradoras de área de risco em caso de rompimento da Barragem de Doutor.

Moradores de Antônio Pereira fecham a MG-129 em protesto contra a Vale, em Ouro Preto
Foto: Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB/Divulgação

Os moradores do distrito ouro-pretano também pedem uma assessoria técnica para ter mais informações sobre o processo de reparação, direitos e melhor comunicação com a mineradora.

Em agosto de 2020, a mineradora anunciou que iniciaria o processo de realocação de cerca de 75 famílias de Antônio Pereira e Vila Antônio Pereira, ambas localidades a 40 quilômetros da sede de Ouro Preto, seguindo estudos mais conservadores, que passaram a considerar hipótese de 100% do deslocamento de rejeitos em caso de ruptura da barragem Doutor, da Mina de Timbopeba, do Complexo Mariana.

Durante 2020, outras famílias e animais já foram removidas das suas residências e habitats no distrito de Antônio Pereira. No dia 12 de fevereiro, o prefeito de Ouro Preto Júlio Pimenta anunciou a retirada de diversas famílias de suas casas do distrito de Antônio Pereira. A ação, de acordo com Júlio, era um plano que já existia desde o ano de 2019, em decorrência do transbordamento do Rio Tabuleiro, que ano passado invadiu casas, além de estarem na rota da lama da barragem do Doutor, em caso de rompimento.