Sobram campanhas, faltam atitudes!

Destaques

Flayslane faz xixi na sala após festa no Big Brother Brasil 20

A participante Flayslane acabou a festa do Big Brother Brasil dessa quarta-feira (9) de forma descontrolada. A cantora tem...

Colisão entre três motos no Anel Rodoviário deixa duas vítimas em estado grave em Belo Horizonte

Três motocicletas se colidiram na tarde desta quinta-feira (9), por volta das 14h20, no Anel Rodoviário, km 538, bairro...

Ouro Preto tem um óbito por coronavírus em investigação; são 15 casos suspeitos na cidade

A Prefeitura de Ouro Preto informou por meio de um Boletim Informativo, atualizado nesta quinta-feira (9), que há um...

Divinópolis registra duas mortes por coronavírus; uma das vítimas era médica de 46 anos

A cidade de Divinópolis, localizada na região Centro-Oeste de Minas, teve suas duas primeiras mortes por coronavírus (COVID-19) confirmadas....

Secretaria de Saúde confirma 15 mortes por coronavírus em Minas Gerais

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou, na manhã desta quinta-feira (9), mais um Informe...

Infelizmente o racismo ainda se encontra presente no meio da humanidade, na desumanidade. Vez ou outra os desumanos que vivem escondidos entre os humanos deixam cair suas máscaras e escancaram seu preconceito.

No meio do futebol atitudes racistas ocorrem com uma freqüência assustadora, dentro e fora de campo. Talvez por ser um meio onde a racionalidade normalmente fica de lado, o que facilita que as pessoas liberem os seus instintos e fujam da compostura politicamente correta e falsa que adotam diante da sociedade.

Episódios recentes ocorridos na Europa trouxeram novamente este assunto à pauta e aos noticiários, e o mesmo nunca deveria e nem deve sair de lá até o dia em que seja erradicado de vez (sonhar não custa nada). Saudações nazista fizeram os Búlgaros frente aos negros da seleção inglesa; os italianos, os russos e os ucranianos imitaram macacos frente aos jogadores negros dos rivais e até do próprio time; “olha sua cor” disse o brasileiro ao segurança, isso mesmo brasileiro, o racismo infelizmente não é um “privilégio” do Europeu. Agora eu me pergunto qual seria a cor do brasileiro?

A FIFA com certeza lançara suas campanhas, aliás, elas sempre estiveram presentes, ‘say no to racism’ é a ultima delas. As “#” se multiplicarão pelas redes sociais, os clubes cujas torcidas estão envolvidas soltarão suas notas de repúdio, mas, e aí? Será que somente campanhas publicitárias, hashtags e notas de repúdio bastam para darmos um basta no racismo?

É preciso mais que isso, as campanhas e notas precisam vir acompanhadas de atitudes. As notas de repudio, precisão virar repúdio também na prática e não apenas no papel. As campanhas de conscientização precisão vir acompanhadas de punição, e punição severa, aos não conscientizados.

Clubes e principalmente a FIFA precisam ser menos vagarosos ao tratar estes casos, é preciso provar que futebol não é “terra de ninguém” como muitos pensam ser, embora, as instituições que o governem favoreçam esta impressão.

O racismo não deve ser relevado e muito menos tolerado, não existe tolerância para com os intolerantes.

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:


- Advertisement -

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail: