Ultimate magazine theme for WordPress.

Polícia Civil agora recebe denúncia de crimes de corrupção via telefone

Com os 12 anos de funcionamento do Disque-Denúncia 181 (DDU) completados nesta terça-feira (12/11), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) comemora mais uma importante inovação: agora, os crimes contra a Administração Pública e a Lei das Licitações também poderão ser denunciados anonimamente pelos cidadãos.

A iniciativa acompanha a inauguração, neste ano, da Delegacia Estadual de Combate à Corrupção da PCMG e o 162 Anticorrupção da Ouvidoria-Geral, visando fortalecer o trabalho das instituições frente à corrupção.

Conforme destaca o titular da Divisão de Operações de Telecomunicações da PCMG, Delegado-Geral Luiz Flávio Cortat, o novo serviço permite à população participar ativamente no combate aos crimes de colarinho branco. “A Polícia Civil, juntamente com as demais Forças de Segurança, dará um enfoque muito forte neste combate. Precisamos da efetiva participação do cidadão. Em uma denúncia de licitação fraudulenta, por exemplo, veremos as investigações avançarem”.

Para o titular da Delegacia Estadual de Combate à Corrupção, Delegado Gabriel Ciríaco Fonseca, a nova possibilidade de denúncia trará grandes benefícios às investigações criminais. “Acreditamos que a ampliação do serviço do DDU, permitindo agora denúncias de crimes contra a Administração Pública e da Lei de Licitações, trará grandes benefícios para a investigação criminal, conduzidas no âmbito do Departamento Estadual de Combate a Fraudes e Corrupção, potencializando a pronta-resposta da Polícia Civil para as demandas da sociedade mineira”, ressaltou.

O Delegado destaca, ainda, que a Delegacia Especializada, nos termos da resolução 8004/18, possui atribuição de atuar em auxílio às investigações desenvolvidas nas Delegacias de Polícia territoriais, o que possibilita união de esforços para o combate efetivo à corrupção pela PCMG.

Texto de Alexandre Ribeiro com informações da Sejusp.
Leia também: Polícia Civil deflagra operação contra esquema de “falso emprego”

 

Comentários do Facebook