Indicado ao Prêmio Latino de Música 2023, Djavan levará a Turnê D para Ouro Preto. Com um figurino que mescla o mítico com o moderno, o astro brasileiro desfila as novas músicas que compõem seu mais recente álbum, “D”, como também sucessos que marcaram sua carreira musical. 

A apresentação está confirmada para o dia 4 de novembro, no estacionamento do Centro de Convenções da UFOP, os ingressos são comercializados pelo valor inicial de R$ 220. 

Considerado um dos principais nomes da música popular brasileira, Djavan é um alagoano que teve, a priori, a paixão pelo futebol (meio de campo),mas a aptidão e talento musical falaram mais alto. 

+ Belo Horizonte se prepara para receber Juliette e sua turnê “Ciclone”

Djavan, que costuma mesclar estilos, propondo uma estética musical mais ousada, sofisticada e contemporânea, passeia pelo samba, jazz, soul, baião, com tranquilidade. Suas fusões sonoras com arranjos singulares, caíram no gosto dos brasileiros em 1975, com o lançamento de “Fato Consumado”, um samba que rapidamente ficou conhecido depois de lançado. 

Na década de 76 a estrela brasileira emplaca “Flor-de Lis”, outro samba que fez parte do disco “A Voz, o Violão, a Música de Djavan”. 

Em 1977, Djavan lançou o segundo álbum que levou o seu nome como título. O projeto lhe rendeu os sucessos “Álibi”,  posteriormente gravado por Maria Bethânia. A música foi tema do primeiro álbum gravado por mulher no Brasil. 

Embora já despontasse ao sucesso com suas anteriores produções musicais, foi em 1980 que Djavan viveu o auge de sua carreira. A canção “Meu Bem Querer”, faixa que compõe o álbum “Alumbramento” foi tema da personagem Vivian, incorporada por Vera Fischer na novela “Coração Alado”. Tamanho foi o sucesso da canção que anos depois, em 1998, a Globo lançou uma novela com o mesmo nome, “Meu Bem Querer”

Outro sucesso do mesmo álbum foi a parceria entre dois titãs. “A Rosa”, música gravada por Djavan e Chico Buarque, é um samba que tem um tom de humor. 

Djavan viveu o auge internacional de sua carreira em 1984, quando lançou o disco “Luz”, projeto musical que reuniu diversos sucessos como “Pétala”, “Sina”, Açaí”, “Capim” e “Samurai”, esta última teve a participação de Steve Wonder. 

Depois disso Djavan foi só colecionando sucesso, álbum após álbum. Músicas como “Lilás, “Oceano”, “Seduzir”, “Novena”, “Bicho Solto”, “Nem um Dia”, “Eu te Devoro”, “Se”, Linha do Equador”, são tantos, que ocuparia todas as linhas deste artigo. 

Djavan em D 

O mais recente álbum de Djavan, “D”, foi lançado em 2022. O projeto traz uma proposta de esperança em período pós pandêmico. Para o artista, o novo disco foi composto para “superar o momento sombrio em que vive o país”, se referindo tanto à pandemia pelo coronavírus, como a política nacional. 

Djavan que sofreu ataques nas redes sociais e foi submetido ao “cancelamento”, depois de declarar que “tinha esperança no Brasil” e que era “cedo para avaliar o governo”, durante os primeiros meses do governo de Bolsonaro, apesar disso, Djavan declarou seu voto nas últimas eleições ao atual governo, Lula. 

Algumas músicas de “D” foram apresentadas na última edição Rock in Rio  e no Coala Festival. Veja o nome das faixas! 

Beleza Destruída
Num Mundo de Paz
Você Pode Ser Atriz
Servilhando
Ridículo
Iluminado
Êh! Êh!
Nada Mais Sou
Primeira Estrada
Cabeça Vazia
Ao Menos Um Porto
Quase Fantasia 

Djavan em Ouro Preto 

  • Dia:4/11
  • Local: Estacionamento do Centro de Convenções da UFOP ( Rua Diogo de Vasconcelos, 328 – Pilar)
  • Horário: 20h30
  • Ingressos: Central de Eventos

COMENTÁRIOS
Share.

Amante da música, compositora e estudante de jornalismo. No Mais Minas é redatora nas editorias de entretenimento, cidades e moda.