Funcionários fazem paralisação e Lafaiete amanhece sem transporte coletivo

0 comment

Conselheiro Lafaiete amanheceu nesta quarta-feira (29) sem transporte coletivo. Isso porque os funcionários da Presidente, empresa responsável pelo serviço, fizeram uma paralisação em protesto à viação, reivindicando pagamento de salários e plano de saúde.

Segundo o Sindicato dos Rodoviários de Conselheiro Lafaiete, o vencimento para o pagamento dos salários era até o dia 5 de julho. E ainda, o adiantamento estava marcado para o dia 25 do mesmo mês, o que também não aconteceu.

Desde manhã os funcionários da Presidente estiveram na porta da empresa às margens da BR-040 e fizeram a manifestação de forma pacífica. Membros da diretoria da viação, representantes da Prefeitura de Conselheiro Lafaiete e do sindicato que representa a categoria estiveram em reunião para encontrar uma solução viável para a situação.

Através de uma nota, a Prefeitura de Conselheiro Lafaiete disse que a paralisação não foi apoiada pelo sindicato. Por se tratar de um serviço essencial, é necessário que os funcionários da viação Presidente mantenham ao menos parte do serviço funcionando, como ocorre quando há aviso de greve, procedido de divulgação com 48h de antecedência.

O município também afirmou que a viação Presidente foi notificada extra-judicialmente pela administração municipal para que haja a retomada imediata do serviço de transporte coletivo em Conselheiro Lafaiete.

Até o momento desta publicação, a viação Presidente não se manifestou sobre o caso.

Confira a nota na integra:

Em decorrência da notícia de paralisação do transporte público na cidade, não comunicada oficialmente pela empresa ao Poder Público Municipal, o secretário de Defesa Social e o diretor do Departamento Municipal de Trânsito compareceram imediatamente à sede da empresa Viação Presidente a fim de buscar informações sobre a ocorrência.

Na oportunidade, foi realizada reunião com a presença do representante da empresa, Luiz Carlos Gomes Beato Sobrinho; do presidente do SINTRACOL, Ivanildo Abranches de Paiva na qual foi afirmado de forma categórica que a paralisação não foi incentivada pelo sindicato, nem tampouco tem seu apoio, razão pela qual não foram preenchidos os requisitos legais.

Representantes dos funcionários informaram que a paralisação buscava o pagamento, pela empresa, de verbas trabalhistas não pagas e em atraso há dois meses. Diante das informações e da gravidade da situação, o município, nesta mesma data de 29 de julho de 2020, notificou extrajudicialmente a empresa objetivando a retomada imediata dos serviços do transporte de passageiros, sob pena de tomada das medidas administrativas e judiciais cabíveis, visando evitar qualquer prejuízo aos munícipes e usuários do transporte.

Veja também: Polícia faz três apreensões na mesma noite por tráfico de drogas em Lafaiete

Comentários Facebook

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. aceitar LER MAIS