Menu

Orquestra Ouro Preto no balanço da Black Music

Grandes clássicos da música negra vão embalar o público em novo concerto da Orquestra que estreia no dia 18 de novembro, às 20h30, no Sesc Palladium; apresentação também presta tributo a ícones do estilo no Brasil com participação de crianças do coro do Programa Vale Música Brumadinho
07/11/2023 às 20:24
Tempo de leitura
8 min
Foto: Rapha Garcia
Foto: Rapha Garcia

A Orquestra Ouro Preto vai entrar no embalo da black music. Dando sequência à série de homenagens a grandes gêneros que vem realizando ao longo de 2023, iniciada com repertórios inteiros dedicados a clássicos do rock e do jazz, a formação mineira encerra a trilogia celebrativa com o espetáculo “Lendas da Black Music”, e se volta a um dos momentos mais especiais da história da música do século XX, não só por seu poder sonoro incomparável, mas também por seu papel histórico e mobilizador. O concerto estreia no dia 18 de novembro, às 20h30, no Grande Teatro do Sesc Palladium, e tem o patrocínio do Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Mais que um gênero musical, a Black Music – e suas facetas como o funk e o R&B – representou um grito de resistência contra o racismo nos Estados Unidos. Criado no fim dos anos 50, tendo seu ápice nas duas décadas seguintes, o estilo se consagrou não apenas pela sua característica dançante, mas também por sua forte identificação com a luta pelos direitos civis da população negra.

Passados mais de 70 anos, a luta contra a discriminação racial e a igualdade de direitos permanece urgente. Dar visibilidade a esse repertório é enfatizar a força da música em sua máxima potência, embalando corpo, alma e corações, transformando cérebros e realidades, por meio de um repertório representado por ícones como Marvin Gaye, Steve Wonder, Diana Ross, Lionel Ritchie, entre outros vários grandes nomes da época.

Em “Lendas da Black Music”, o público é convidado a fazer essa viagem ao tempo, experimentando por meio dos arranjos da Orquestra Ouro Preto a estética e a musicalidade que marcaram gerações nos anos 60, 70 e início de 80, tendo como guia verdadeiros hinos da discografia dos Jackson 5 e seu mais carismático integrante, Michael Jackson, de “ABC”, “I’ll Be There” e “I Want You Back”, chegando a “Don’t Stop Until You Get Enough”, mostrando a força desse artista que transitou, sempre com sucesso, por tantas décadas de ápice do estilo ao redor do mundo.

E as surpresas não param por aí. Para abrilhantar a apresentação, a Orquestra Ouro Preto, através do Programa Vale Música, convida ao palco do Sesc Palladium, músicos e musicistas dos quatro cantos do Brasil que fazem parte do programa. Alunos de Belém (PA), Serra (ES), Corumbá (MS) e Brumadinho (MG) se juntarão à formação principal da Orquestra para ecoar toda atitude e groove da música negra. Uma verdadeira celebração que ignora os limites geográficos e ecoa o sonho de Martin Luther King.

MOTOWN

Os Jackson 5 gravaram 15 álbuns com a gravadora Motown, um dos marcos desse período e uma verdadeira fábrica de fazer hits. E isso não é apenas uma força de expressão. Criada em Detroit, cidade reconhecida pelas grandes montadoras automobilísticas, a gravadora funcionava como uma verdadeira linha de produção: foram 240 canções no top 40 das paradas norte-americanas entre 1962 e 1971.

Do soul mais açucarado ao funk mais pesado, todos os estilos de música negra dos EUA foram representados pela gravadora durante o seu auge e, com certeza, alguns desses sucessos estarão presentes no repertório do concerto.  Entre eles: “Superstition”, de Steve Wonder, “You Keep Me Hangin On”, com The Supremes, “I Heard It Through The Grapevine”, de Marvin Gaye, e “Upside Down”, de Diana Ross. Em um universo tão rico e amplo de possibilidades, novidades e surpresas podem sempre aparecer no repertório a cada nova apresentação.

Coube ao músico e arranjador Fred Natalino, um dos grandes parceiros da Orquestra Ouro Preto na criação de novos repertórios, a missão de criar a atmosfera musical perfeita para o encontro entre a música de concerto e o soul, o funk e o R&B que marcaram a história da música negra nos Estados Unidos.

 “Vamos proporcionar ao público o que há de mais essencial nesse repertório:  a beleza da canção e melodia das músicas, além de incorporar sua característica dançante. Fazer essas duas coisas de um modo que fique bem marcante na interpretação da Orquestra”, adianta Natalino, que já assinou trabalhos anteriores da formação mineira, entre eles alguns dos maiores sucessos de público e crítica, como os concertos “The Beatles”, Rolling Stones” e “A-Ha”.

“Lendas da Black Music” também faz uma ponte com a produção brasileira da época e celebra alguns nomes que definiram os rumos do estilo no país, como Tim Maia e Sandra de Sá. Para este momento especial, a formação mineira divide o palco com dezenas de crianças do coro do Programa Vale Música Brumadinho.

SOBRE O PROGRAMA VALE MÚSICA

Desde os anos 2000, a Vale cria oportunidades para estudantes participarem de formações musicais e desenvolverem seus talentos, nos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Pará e Mato Grosso do Sul. Em 2019, foi criada uma rede colaborativa de ensino e aprendizagem entre os projetos musicais dos quatro estados e orquestras parceiras, que recebeu o nome de programa Vale Música.

O Vale Música, que integra o eixo de programas autorais do Instituto Cultural Vale, contempla intercâmbios entre estudantes e professores dos polos de formação do programa, aulas com músicos das orquestras profissionais patrocinadas pela empresa.

Os estudantes participam de aulas por naipes, masterclasses de instrumentos e workshops sobre formação de orquestra e música de concerto. O programa também cria oportunidades para que os jovens músicos participem de qualificações presenciais com as orquestras, além de apresentações integradas, onde eles experimentam a rotina de músicos profissionais.

Desde 2019, o programa oferece iniciação musical de canto coral e instrumentos de sopro e percussão a crianças e adolescentes de Brumadinho, sob a coordenação da Orquestra Ouro Preto.

SOBRE A ORQUESTRA

Uma das mais prestigiadas formações orquestrais do país, a Orquestra Ouro Preto tem como diretor artístico e regente titular o maestro Rodrigo Toffolo. Premiado nacionalmente, o grupo vem se apresentando nas principais salas de concerto do Brasil e do mundo. Criada em 2000, a Orquestra Ouro Preto tem atuação marcada pelo experimentalismo e ineditismo, sob os signos da excelência e da versatilidade.

Em sua trajetória, destaca-se a presença em todo o território nacional e nas principais capitais do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Manaus, Curitiba, Porto Alegre, João Pessoa, Salvador e Natal. No exterior, sua qualidade foi comprovada em turnês de sucesso, com presença de grande público em apresentações na Inglaterra, Portugal, Espanha, Argentina e Bolívia.

Possui diversos trabalhos registrados em CD e DVD: “Latinidade” (2007), “Oito Estações – Vivaldi e Piazzolla” (2013), “Valencianas: Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto (2014)”, “Antonio Vivaldi – Concerto para Cordas” (2015), “Orquestra Ouro Preto – The Beatles” (2015), “Latinidade: Música para as Américas” (2016), “Música para Cinema” (2017), “O Pequeno Príncipe” (2018), “Suíte Masai” (2019), “Quem Perguntou Por Mim: Fernando Brant e Milton Nascimento” (2019), “Gênesis: João Bosco e Orquestra Ouro Preto” (2022) “Valencianas II” (2022) , “Orquestra Ouro Preto: Haydn e Mozart” (2023) e “Orquestra Ouro Preto: A-Ha” (2023).

Em sua discografia, destaca-se o Prêmio da Música Brasileira 2015, na categoria Melhor Álbum de MPB, a indicação ao Grammy Latino 2007, como Melhor Disco Instrumental por “Latinidade”, e a distribuição mundial dos discos “Latinidade – Música para as Américas” e “Antonio Vivaldi – Concerto para Cordas” pela gravadora Naxos, a mais importante do mundo dedicada à música de concerto. Com foco na pesquisa e valorização de referências musicais, a Orquestra Ouro Preto tem como proposta a oferta de uma programação permanente e o desenvolvimento de repertório diversificado em gênero e época, buscando a formação e a ampliação de público.

SERVIÇO

  • Orquestra Ouro Preto: Lendas da Black Music
  • Data: 18 de novembro de 2023
  • Horário: Às 20h30
  • Local: Grande Teatro do Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1046, centro)
  • Ingressos: www.sympla.com.br ou na bilheteria do teatro
  • Informações: www.orquestraouropreto.com.br

Fonte: Assessoria de imprensa da Orquestra Ouro Preto

COMENTÁRIOS
Última atualização em 07/11/2023 às 20:25