Capela bicentenária em Bento Rodrigues, não atingida pela lama, é tombada pelo IEPHA

Em reunião on-line na última quinta-feira (13/8), o Conselho Estadual de Patrimônio Cultural (Conep) foi favorável ao tombamento definitivo da Capela de Nossa Senhora das Mercês, localizado no povoado de Bento Rodrigues, distrito de Santa Rita Durão, em Mariana. O reconhecimento estadual do patrimônio havia sido aprovado pelo Conep em 2018, já sendo protegido como um patrimônio de Minas Gerais, no entanto, apenas na última semana foi inscrito nos Livros do Tombo de Belas Artes (II) e Patrimônio Histórico (III) do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG). A capela foi uma das poucas construções que não foram afetadas pelo rompimento da Barragem de Fundão, em 2015.

Capela de Nossa Senhora das Mercês não foi atingida pela lama em 2015 – Foto: IEPHA-Reprodução

Sem datação precisa de sua construção, mas estimada entre os anos de 1750 a 1815, a construção da Capela de Nossa Senhora das Mercês se deu, provavelmente, seguida da criação da Irmandade das Mercês no povoado, no âmbito da então ermida principal do local, a antiga Capela de São Bento.

Sua arquitetura segue um tipo tradicional de capelas das Minas setecentistas e oitocentistas, em composição singela com três volumes descendentes da nave, capela-mor e sacristia, fachada com porta central encimada por duas janelas e óculo, estrutura de madeira sobre baldrames de pedra, vedações de adobes, coberturas em telhas cerâmicas. Internamente, os elementos de talha são de boa qualidade e possuem linguagem comum e harmoniosa entre si. Há um cemitério anexo, elemento fortemente associado às associações religiosas mercedárias.

Situada em cota elevada no povoado de Bento Rodrigues, fortemente atingido pela lama, a Capela das Mercês foi uma das poucas edificações não afetadas pelo desastre. Após o episódio, passou de capela secundária à principal edificação de uso comunitário do local, onde acontecem reuniões não só religiosas, mas também festivas e sociais. Sua implantação apresenta notável harmonia com a morfologia da paisagem e a capela pode ser interpretada como símbolo de resistência e da capacidade de resiliência da comunidade.

O deputado estadual Thiago Cota comemorou o tombamento definitivo do templo religioso: “Valorizar a nossa história é fortalecer a nossa gente e a nossa cultura. O subdistrito Bento Rodrigues ainda está vivo.”, destacou o parlamentar marianense.

Agora, com o fim do processo de tombamento, a Capela poderá ser contemplada com políticas de conservação promovidas pela Secretaria de Turismo do Estado.

Comentários