Coronavírus: filmes para você assistir durante a quarentena (parte 2)

Mobilização de governos em todo o mundo, profissionais da saúde trabalhando exaustivamente, populações confinadas, ruas desertas… Com o advento do novo coronavírus, o COVID-19, assistimos por alguns dias cenas que evocam uma rica imaginação cinematográfica.

Dando sequência à indicação de filmes para você assistir durante o período de quarentena por causa da pandemia do novo coronavírus, aqui segue mais uma seleção que oferece a oportunidade de aperfeiçoar sua cinefilia (gosto, amor pelo cinema). Confira:

– Milagres do Paraíso

O filme é baseado no livro “Miracles from Heaven” de Christy Beam e foi lançado em 2016. A obra encena e investiga, sem nenhuma “afirmação verdadeira”, os sentimentos profundos que atravessam e permeiam uma família que é severamente testada pela doença de uma filha, buscando o caminho e a força para reagir, para não desistir e continuar acreditando.

As dúvidas de uma mãe que, por mais que acredite, não pode, em um momento de tanta dor e desespero, sentir-se próxima do que sempre acreditou. Uma mãe que, diante dos sofrimentos de sua filha, se pergunta para onde Deus foi, aquele Deus bom e misericordioso que agora aceita e permite tudo isso. Christy confessa ao marido que ela não consegue mais encontrar conforto na fé, que ela nem consegue mais orar, a dor é tão grande.

No entanto, será a própria Christy a argumentar que a presença de Deus, de algo mais forte, menos evidente, mas mais profundo, está frequentemente presente em muitas pequenas coisas que tornam todos os dias milagrosos. É tudo sobre conhecer, agarrar, saber como vê-los e se abrir para aceitá-los.

O elenco é composto por Jennifer Garner, Kylie Rogers, Martin Henderson, John Carroll Lynch, Eugenio Derbez e Queen Latifah.

ONDE ASSISTIR: Netflix

Confira o trailer:

– Passageiros

Um passageiro solitário numa jornada interplanetária enfrenta um dilema ético depois de acordar de sua hibernação décadas antes do previsto. O filme é uma metáfora articulada sobre amor e inteligência desenvolvida numa jornada dentro de uma nave interplanetária com 5.000 passageiros e 358 tripulantes em uma viagem de 120 anos rumando a um planeta semelhante à Terra.

A jornada faz parte de um grande programa de repovoamento em outros planetas, porque a Terra está superpovoada. Após 30 anos de viagem, a nave é atingida por um meteoro que causa danos e, por esse motivo, um passageiro acorda antes do previsto: Jim, um mecânico que, após buscas desesperadas, descobre que terá que ficar o resto da viagem na nave espacial e morrer lá com a única companhia do andróide Arthur, servindo no bar.

A nave chama-se “Avalon”, mesmo nome da ilha mítica onde descansaria o rei Artur, o herói dos heróis; cuja sepultura garantiria uma fertilidade indomável.

Passageiros é um filme construído para despertar a simpatia do público: já a partir do cenário da ficção científica que se apresenta à criação de situações espetaculares e de alta tensão, declara sua intenção. Sem mencionar o bem sucedido par de protagonistas bonitos, inteligentes e agradáveis, interpretados por dois atores perfeitamente adequados para o papel.

O filme é protagonizado por Jennifer Lawrence, Chris Pratt, Michael Sheen, Laurence Fishburne, Andy García e Aurora Perrineau.

ONDE ASSISTIR: Netflix

Confira o trailer:

– Crô

Por conta da pandemia do novo coronavírus, o COVID-19, a Globo interrompeu as gravações de suas novelas e outros programas. Diante disso, a atual novela “Amor de Mãe” foi divida em duas fases. O capítulo de sábado (22) marcou o fim da primeira fase. Assim que estiver tudo calmo quanto à pandemia, as gravações serão retomadas e a fase final de “Amor de Mãe” voltará ao ar.

Esse hiato que ficará entre a primeira fase e a fase final da novela de Manuela Dias será preenchido por um compacto da novela “Fina Estampa”, do autor Walcyr Carrasco, que foi demitido da emissora recentemente, aliás.

“Fina Estampa” gira em torno de Griselda (Lilia Cabral) e Teresa Cristina(Christiane Torloni) que são duas mulheres fortes, cada uma na sua perspectiva. Um dos personagens mais marcantes do folhetim, sem dúvida, é o mordomo de Teresa Cristina, o Crô, personagem de Marcelo Serrado. O personagem fez tanto sucesso na época que acabou ganhando um filme, sendo lançado em 2013.

No longa, é possível entender como se deu a formação da personalidade do personagem, mas infelizmente, a produção parece ter sido criada para aproveitar o embalo do personagem, se aproveitando se sua caricatura para proporcionar cenas irreverentes. Se você quer um filme para rir, esse é o filme certo.

ONDE ASSISTIR: Netflix

Confira o trailer:

– Alice Através do Espelho

A história de “Alice Através do Espelho” é ambientada após os eventos de “Alice no País das Maravilhas” (2010), onde a jovem Alice Kingsleigh  cresceu, tornando-se, ao longo do tempo, capitã de um grande navio e herdando a fortuna de seu falecido pai. Os problemas econômicos da família e os velhos conflitos com o casamento recusando Hamish Ascot forçaram Alice a se refugiar no submundo, encontrando seus amigos habituais, com exceção do Chapeleiro Maluco, estranhamente triste e doente.

O filme tem atmosferas refinadas e uma estrutura de roteiro que se revela bem através dos tempos da história, atravessando e manipulando o tempo em todas as suas formas. É possível compreender como pequenos detalhes podem se transformar em grandes problemas no futuro. Cada pequeno detalhe pode influenciar na formação psicológica de um indivíduo conduzindo-o para caminhos inesperados.

Não deve ter sido fácil para James Bobin penetrar no mundo de Lewis Carroll, filtrado pelo escuro patinado impresso por Tim Burton no sucesso de bilheteria de 2010. Talvez a chegada do diretor dos dois últimos filmes dos Muppets tenha baixado a intensidade visual, mas temos o cript de Alice através do Espelho nas mãos de Linda Woolverton  é muito mais fluido e coerente do que o do seu primeiro capítulo.

ONDE ASSISTIR: Netflix

Confira o trailer:

– Comer, Rezar, Amar

Desde a época de “Uma Linda Mulher” (“Pretty Woman”), Julia Roberts tem sido o emblema da protagonista romântica clássica. Jovem, bonita, sorridente e empreendedora, ao longo dos anos a atriz se tornou sinônimo de “Cinderela Americana”, sempre em busca constante do amor verdadeiro e do Príncipe Encantado. Com “Comer, Rezar, Amar”, a diva de Hollywood, apesar de superar a época em que foi definida a “namorada da América”, continua sonhando ingenuamente com seu conto de fadas.

Esse filme é agradável para os amantes de histórias felizes e para os amantes de lugares exóticos. É um filme com um duplo objetivo: mostrar uma mulher que embarca em uma jornada (física e espiritual) em busca de si mesma, mas também é uma oportunidade de dar aos voyeurs os cenários de sonho exóticos mais aventureiros.

As belezas da Itália, os lugares paradisíacos da Indonésia, as paisagens místicas da Índia… a fotografia é majestosa, bem cuidada e detalhada como um guia turístico. Embora os lugares visitados pelo protagonista sejam três, o filme é dividido em duas partes.

ONDE ASSISTIR: Netflix

Confira o trailer:

Comentários estão fechados.