Nova espécie de inseto é descoberta por pesquisadores do IFMG

por Rodolpho Bohrer

No âmbito de um projeto de levantamento da diversidade de insetos e aracnídeos no Parque Nacional Grande Sertão Veredas, uma recente descoberta deixou entomologistas animados. Trata-se da Minagrion veredae, uma nova espécie de libélula, encontrada nos charcos do parque durante uma expedição coordenada pelo Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) em parceria com o Instituto Federal do Sul de Minas.

Pesquisadores do IFMG descobrem nova espécie de inseto no norte de Minas
Libélula Minagrion veredae - Foto: divulgação/IFMG

A Minagrion veredae é parte do gênero “Minagrion” e recebeu esse nome em homenagem ao estado de Minas Gerais, onde foi descoberta. É uma espécie rara, com apenas cinco conhecidas em todo o mundo, tornando sua descoberta uma contribuição significativa para a ciência.

O professor Gabriel de Castro Jacques, um dos coordenadores do projeto e vinculado ao Campus Bambuí, explicou que o estudo, que teve a duração de um ano, envolveu quatro visitas a campo, uma a cada estação do ano, para avaliar a distribuição das populações e a ocorrência de espécies ameaçadas e raras. Jacques destacou a importância desse tipo de pesquisa para o conhecimento e proteção da vida selvagem, especialmente em unidades de conservação, fundamentais para a preservação da biodiversidade.

Professor Gabriel de Castro Jacques, um dos coordenadores do projeto
Professor Gabriel de Castro Jacques, um dos coordenadores do projeto

Além dos coordenadores, cerca de 10 alunos dos institutos envolvidos participaram ativamente das pesquisas. Até o momento, três artigos foram publicados como resultado do projeto, mas o professor Jacques antecipa que há mais 12 publicações a serem lançadas, indicando a relevância e a extensão do estudo.

Essa colaboração bem-sucedida não é uma estreia. Desde 2020, os campi Bambuí e Inconfidentes têm trabalhado conjuntamente, consolidando uma parceria frutífera. Anteriormente, eles realizaram um projeto no Parque Estadual da Mata Seca, no norte de Minas Gerais, que resultou na elaboração de 12 artigos e notas científicas, muitos dos quais já foram publicados em revistas especializadas nacionais e internacionais.

O próximo projeto, alinhado com os anteriores, terá o mesmo foco: levantamento da fauna. Dessa vez, a pesquisa de campo será conduzida na cidade de Luminárias, no sul do estado, em colaboração com a prefeitura. Além do estudo sobre a fauna, o professor Gabriel Jacques enfatiza que também haverá um componente fundamental de educação ambiental, envolvendo as escolas da região, para promover a consciência e a preservação do meio ambiente.

* Com informações do IFMG

ARTIGOS RELACIONADOS