‘O Morro dos Ventos Uivantes’: do amor às ruínas

0 comment

Mesmo a área tempestuosa e áspera em que essa história romântica e brutal acontece sugere um manuseio grosseiro. Em seu (único) romance “O Morro dos Ventos Uivantes”, a autora britânica Emily Bronte cria um mundo inteiro com personalidades altamente detalhadas que são atormentadas pelo sofrimento e assombradas por fantasmas. Ela descreve o amor ilimitado, sim, alguém poderia até dizer um amor de ódio entre Catherine e Heathcliff que desencadeia toda uma tragédia. Heathcliff não apenas sofre com o amor negado, mas Catherine também destrói sua vida se casando com Edgar Linton.

A maioria dos personagens morrem muito cedo de seu sofrimento mental, que Emily Bronte descreve muito emocionalmente. O leitor entende toda a história da perspectiva da governanta Nelly Dean. Ela traz muitos sentimentos e percepções pessoais para a narrativa que tornam o curso do romance interessante e emocionante. Nelly cresceu com Catherine e Hindley na propriedade dos Earnshaw e depois se tornou governanta, ela conhece as características de Catherine, Heathcliff e Hindley desde tenra idade.

A vingança de Heathcliff e seu estado mental perturbado tornam tudo emocionante e estressante. No final do romance, sobra a tristeza em ver que Heathcliff destruiu sua própria vida, terminando sozinho.

Amor, paixão, ciúme, vingança e ódio. Até hoje, a dramática história de amor entre Heathcliff e Catherine é uma das obras mais emocionantes e lidas da literatura inglesa no mundo.

O drama entre Heathcliff, galopante e efervescente, e seu grande amor, Catherine, ocorre no isolamento de uma charneca acidentada. Heathcliff tem que lidar com demônios esmagadores: com sua vingança implacável e ciúmes furiosos, ele não apenas leva seu amado a um redemoinho imparável de paixão e destruição.

O único romance de Emily Bronte (1818-1848)), imbuído de realismo, paixão, misticismo, elementos psicológicos, individualismo nas atmosferas góticas, mas também expressão e reversão dos ideais românticos clássicos.

O mundo inteiro é uma terrível coleção de testemunhos de que o amor existiu e se perdeu, que há tantos anos ele é sua vítima inconsciente, sem descanso e remorso, e se reflete em Heathcliff, o espectro de seu amor imortal, de esforços desesperados para afirmar o direito, a degradação, o orgulho, a felicidade, a angústia, acabando reconhecendo, sem nenhuma esperança, que o ódio é o espelho de si mesmo, que a vingança continuará perseguindo os fantasmas do passado e que nada retornará um amor até a reunificação final com ele, em uma vida agora insuportável e sem sentido, manchada de solidão.

A obra de Emily Bronte foi adaptada diversas vezes para o cinema, mas a verdadeira essência encontra-se no livro… as emoções e o caráter dos personagens só é possível encontrar nas páginas de “O Morro dos Ventos Uivantes”, que, aliás, está em 22º lugar na lista dos mais vendidos da Amazon atualmente.

Comentários Facebook

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. aceitar LER MAIS