Interativo: 4 anos do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, e a busca por justiça

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Transporte e mensalidade escolar devem ser pagos durante a quarentena?

Uma questão importante tem afligido muitos pais pelo Brasil. Com o isolamento social, muitas pessoas estão deixando de trabalhar,...

Ouro Branco tem dois óbitos em investigação por coronavírus

A Prefeitura de Ouro Branco informou nesta segunda-feira (6), por meio da Secretaria Municipal de Saúde, que há dois...

Qual a mais bonita? Relembre as camisas do Atlético na década e vote na sua favorita

Sempre que começa uma temporada nova há uma expectativa sobre as novidades no elenco, qual o time titular e...

Prefeitura de Jeceaba confirma primeiro caso de coronavírus no município

Foi confirmado oficialmente, nesta segunda-feira (6), pela Prefeitura de Jeceaba, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, o primeiro...

Ovos de páscoa: conheça o trabalho de produtos feitos à mão

Época de semana santa, junto da páscoa, traz muitas celebrações religiosas e um comércio voltado, principalmente, para os chocolates....

O dia cinco de novembro de 2015 foi marcado por aquela que se tornou a maior catástrofe ambiental da história do Brasil: o rompimento de uma das barragens da Samarco, em Mariana-MG. A estrutura, nomeada como barragem do Fundão, atingiu subdistritos da cidade de Mariana e deixou um rastro de morte e destruição pela gigantesca extensão que percorreu. E até hoje, quatro anos depois, resquícios da lama e dos resíduos tóxicos seguem afetando negativamente a vida de milhares de pessoas que foram atingidas direta ou indiretamente pela tragédia.

E o que mais choca é que hoje, no triste aniversário de quatro anos do rompimento da barragem, grande parte das pessoas atingidas ainda esperam receber indenização das empresas responsáveis pelo crime ambiental, a reconstrução das casas perdidas na tragédia e uma forma de tentar viver a vida normalmente, outra vez.

Ainda hoje, podemos passar por todos os anos após o desastre e observar diversos pontos que até agora estão sem respostas.

Veja a linha do tempo do maior desastre ambiental do país:

 

 

Leia também: Após 4 anos do rompimento da barragem, atingidos protestam em Mariana e no Espírito Santo

 

- Advertisement -