Mais Minas
Portal de notícias de Minas Gerais

A peculiar estratégia usada pelo Afogados para enganar o Atlético

Que o Atlético foi eliminado pelo modesto Afogados da Ingazeira-PE não é novidade pra ninguém. Contudo, o que pouco se falou foi o fato do time pernambucano ter trocado as numerações dos jogadores para confundir o time mineiro.

PUBLICIDADE

Afinal, como se tratava de uma equipe desconhecida, sem atletas de renome, o Galo poderia se guiar pela numeração adversária como forma de portar em campo.

A estratégia usada pelo rival alvinegro foi “embaralhar” os números em campo, como uma forma de dificultar a leitura tática atleticana. Por exemplo, um lateral-direito, tradicionalmente, usa a camisa 2. No caso do Afogados, o lateral vestiu a 7.

Observando escalações anteriores postadas nas redes sociais da equipe sertaneja, é possível afirmar que, de fato, ocorreram diversas mudanças.

Veja a escalação para o duelo contra o Atlético. Não há a disposição de esquema tático.

View this post on Instagram

Time escalado!

A post shared by Afogados da Ingazeira FC (@afogadosfcoficial) on

Contudo, no duelo da fase anterior, contra o Atlético Acreano, há a formação tática e uma numeração completamente diferente.

View this post on Instagram

Time definido! #VamosCoruja

A post shared by Afogados da Ingazeira FC (@afogadosfcoficial) on

O zagueiro Márcio, usou a 4 contra contra os acreanos e a 2 contra os mineiros. O volante Eduardo Erê, que costuma carregar a 8, usou a 3 no duelo contra o alvinegro. Além deles, diversos outros jogadores vestiram números inconstantes para a posição.

Se a estratégia funcionou, não se sabe. Mas é fato que não é algo corriqueiramente visto no futebol do Brasil e do mundo.

Veja mais: Atlético perde para o Afogados-PE nos pênaltis e dá adeus à Copa do Brasil

Deixe seu comentário
Participe gratuitamente do nosso grupo de notícias no Telegram -> ENTRAR.
você pode gostar também