Não é de se espantar quando ficamos sabendo do número de animais que fogem, somem e sofrem durante as festividades de fim de ano. Existem casos de emergência médica, de animais que vão parar em clínicas veterinárias com cortes, ao tentar atravessar portas de vidro, dentre tantas outras notícias pesadas. Também existem estudos científicos que examinam animais que sofrem com estresse agudo e fobias, bem como casos de animas que vão a óbito, por conta de ataques cardíacos. Portanto, se você sentiu um aperto no coração ao conhecer essas histórias, leia e repasse esse conhecimento.

Algumas cidades brasileiras contam com leis municipais que proíbem a soltura de fogos de artifício de estampido. A iniciativa favorece crianças e idosos com problemas de saúde, ou condições médicas, bem como animais de estimação que sofrem com o alto barulho do material. Em Mariana – MG, a câmara municipal já aprovou o texto da lei, e agora passa pela apreciação do prefeito em exercício. Assim que a lei for publicada no Diário Oficial do município, a mesma começará a entrar em vigor. Ainda que ainda não tenha sido publicada, a aprovação da lei na câmara já mostra uma pequena vitória da população protetora de animais.

Falando sobre os perigos dos fogos de artifício de estampido, a médica veterinária Kellen de Sousa Oliveira, presidente da Comissão de Bem-Estar Animal do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), conta, em comunicado para a imprensa, alguns cuidados especiais. De acordo