20.4 C
Belo Horizonte
terça-feira, 27 setembro 2022

Encenação da Semana Santa de Congonhas terá ator de novelas da Globo e Record

Amaury Lorenzo interpretará Cristo na Cidade dos Profetas.

Museu com mais de mil peças barrocas será inaugurado em Ouro Preto

Museu Boulieu será instalado no antigo Asilo São Vicente de Paulo.

Lavras Novas pode ser tombado como patrimônio material de Ouro Preto

Com o tombamento, o distrito poderá ter novas diretrizes para preservar a cultura e o espaço urbano para os moradores locais.
Portal Mais MinasArte, Cultura e PatrimônioProjeto Paisagens Pitorescas faz reviver a Belo Horizonte do século XIX em simulação 3D

Projeto Paisagens Pitorescas faz reviver a Belo Horizonte do século XIX em simulação 3D

Imagine poder passear pelas ruas de Curral del Rey, um antigo arraial do século XIX que, tempos mais tarde, viria a se consolidar como a capital do Estado de Minas Gerais, carregando consigo a singela alcunha de Belo Horizonte? Enquanto não se tem notícias de uma máquina que permita realizar viagens presenciais no tempo, pesquisadores do projeto Paisagens Pitorescas, do IFMG – Campus Ouro Preto, se encarregaram de produzir uma incursão visual pelo povoado através de uma experiência tridimensional.

Lançado no último dia 20, o vídeo “Uma incrível viagem 3D pela Belo Horizonte do século 19” passou a integrar a coletânea de simulações gráficas realizadas pelo projeto capitaneado pelo professor Alex Fernandes Bohrer e co-coordenado por Tiago da Cunha Rosa, egresso da pós-graduação em Gestão do Patrimônio Cultural. No catálogo de produções, estão as reconstituições paisagísticas e urbanísticas de Ouro Preto e Cachoeira do Campo. Com quase 40 mil visualizações, a visita por Curral del Rey levou um ano até ser concluída, exigindo um intenso trabalho de pesquisa, criação de maquetes e edição, desenvolvidas por alunos do curso de graduação em Conservação e Restauro.

Bohrer detalha que a pesquisa, que contou com importantes colaborações, se baseou em acervos documentais, fotografias da época e pinturas, que propiciaram um retrato fiel do vilarejo pouco antes de sua destruição. “Tivemos a ajuda do Padre Mauro Luiz da Silva, do Museu Muquifu, um importante defensor da cultura afro belo-horizontina, e de outros pesquisadores, como o senhor Alessandro Borsagli. Também lançamos mão do antigo levantamento topográfico feito pela Comissão Construtora da Capital, que nos auxiliou na recriação do relevo”, comenta.

Segundo o professor, a reconstrução é relevante para o entendimento das mudanças efetivadas com o tempo. “Ao ver essas maquetes, as pessoas, especialmente alunos e crianças, podem perceber como as paisagens se alteram com o tempo e, lógico, podem entender a importância de se preservar o patrimônio histórico de um povo.” Para ele, a História tem papel preponderante na definição do amanhã. “Não é possível traçar um caminho futuro sem o entendimento do passado. Um povo sem memória é como uma casa sem alicerce”, defende.

Metaverso
Em sintonia à recente onda de tecnologias de realidade virtual, que possibilitam a imersão do usuário em cenários e contextos 3D, o projeto já está trabalhando no desenvolvimento de recursos para que os espectadores possam participar das maquetes. Dentre os próximos lançamentos, estão a reconstrução de Ouro Preto, em 1789, à altura da Inconfidência Mineira; e de Cachoeira do Campo, durante a Sedição de Filipe dos Santos, em 1720. O professor anuncia, ainda, que cidades como Serro, Catas Altas e distritos de Mariana estão no radar dos pesquisadores.

Assista ao vídeo:

Fonte: Jornalismo IFMG

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: