Ultimate magazine theme for WordPress.

As tarifas de exportação do aço e a relação de Brasil e EUA simbolizam uma ‘Colonização Disfarçada’

Crédito da foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a postura de Brasil e Argentina, nesta segunda-feira (2), através de sua rede social, acusando-os de desvalorizarem suas respectivas moedas e, também, alegou que vai reinstalar tarifas de importação sobre o aço e alumínio dos dois países.

“Brasil e Argentina têm presidido uma desvalorização maciça de suas moedas. O que não é bom para nossos agricultores”, publicou Donald Trump.

O Brasil é um dos principais fornecedores de aço e ferro para os Estados Unidos. De 2011 até 2017, o país norte-americano importou 35,9 milhões de toneladas, sendo 4,7 milhões de aço brasileiro, o que corresponde a 66% de variação.

Veja a postagem de Donald Trump:

Com isso, o presidente Jair Bolsonaro disse que “se for o caso”, irá conversar com Trump sobre a restauração das tarifas sobre a importação de aço e alumínio feito pelos Estados Unidos. E ainda, para o chefe de estado brasileiro, a medida proposta pelo presidente dos EUA não é uma “retaliação”.

Desvalorização do real

Desde janeiro até a última sexta-feira (29), o dólar já subiu 9,43% a frente do real, o que barateia as exportações do Brasil e aumenta a competitividade com os outros países. Apenas em novembro, a alta da moeda norte-americana chegou a 5,73%, sendo a que mais perdeu valor durante o mês.

Colonização disfarçada

A atual conjuntura do Brasil se mostra altamente sem autonomia e com uma dependência gigante dos Estados Unidos. Claro, o país norte-americano é a principal potência econômica do mundo, o que não quer dizer que um país continental precise de algum mentor para fazer um esquema parecido com a brincadeira de criança “Siga o mestre”.

As respostas do chefe de estado, Jair Bolsonaro, não trazem conforto algum ao povo brasileiro, quando perguntado sobre as novas tarifas de importação. Seu insistente recurso de “perguntar a Paulo Guedes” é vazio e não traz segurança de um planejamento econômico efetivo para que outros países enxerguem o Brasil como um lugar interessante para negociar.

Sobre as tarifas nas importações de aço e alumínio, o presidente Jair Bolsonaro disse: “Primeiro é munição para pessoal opositor meu aqui no Brasil, né? Vou conversar com o Paulo Guedes hoje ainda. Se for o caso, vou ligar para o presidente Donald Trump. A economia deles não se compara com a nossa, é dezena de vezes maior do que a nossa. Não vejo isso como retaliação. Vou conversar com ele para ver se não nos penaliza com a sobretaxa no preço do alumínio”.

E, mais uma vez, o presidente se esquivou do verdadeiro problema e trazendo a oposição à sua fala. Porém, não é de hoje que o Brasil se mostra um seguidor dos EUA. Para se ter uma noção do quão é influente a postura de Jair Bolsonaro perante a relação com os norte-americanos, em novembro de 2019, um grupo de manifestantes se reuniram nas ruas de diversas cidades do país para protestarem contra o ministro do STF, Gilmar Mendes, e apoiar o atual presidente brasileiro. Em alguns lugares as pessoas marcharam em continência ao maior símbolo norte-americano, uma réplica da Estátua da Liberdade.

O “siga o mestre” de Bolsonaro com os EUA se mostra parecido desde sua candidatura, na verdade. Sendo altamente conservador e colecionando conflitos com os principais veículos de comunicação do país. Porém, o problema é que Jair atribui, cada vez mais, a autonomia estadunidense sobre o Brasil, o que causa em dificuldades de exportação dos principais fragmentos da economia nacional, como agropecuária, matéria prima e aço, assim como uma boa negociação com os países consumidores de seu produto.

Leia também: Bolsonaro acusa DiCaprio de financiar ONG que põe fogo na Amazônia

Comentários do Facebook