Take a fresh look at your lifestyle.

Bandido bom é bandido morto?

Semana santa é a época em que a maioria dos cristãos tira para relembrar Jesus e seus ensinamentos, ele, que foi o maior de todos os líderes religiosos curiosamente foi perseguido em seu tempo por pensar diferente.

É curioso pensar que mesmo 1984 anos após sua morte (segundo o calendário gregoriano), seus ensinamentos ainda estejam tão presentes em nossa sociedade. Isto mostra como a fé faz parte da realidade do nosso país, em especial de nossa região, tão famosa pelas cerimônias religiosas.

A reflexão que trago hoje tem tudo a ver com isso, pois Jesus, se não me falha a memória, foi morto por não seguir os costumes de seu tempo, por achar que mulheres deveriam ter direitos similares aos dos homens, por defender uma nova maneira de gestão do Estado e ainda amar ao próximo.

Ora, se ele foi morto por lutar “pelo certo, pelo justo e pelo melhor do mundo”, como descrevia Olga Benário em sua última carta antes de ser morta pelos nazistas, por que tanta gente ainda se indigna contra os que lutam pelas mesmas causas?

Será que se o filho de Deus aqui estivesse ia aprovar parte de seus seguidores bradando absurdos do tipo “bandido bom é bandido morto”? Ou que existe “mulher para casar e mulher para sair”? Ou não “amar ao próximo como a si mesmo” devido a sua orientação sexual ser diferente? Ou que “negro nasceu pra ser escravo”?

Faz algum tempo que não leio a Bíblia Sagrada, mas me parece que este comportamento lembra mais os fariseus, pessoas que foram combatidas por Jesus na porta do templo religioso por serem hipócritas e amarem mais o dinheiro e os bens materiais que seus irmãos e irmãs.

Que fé é esta que certas pessoas possuem capaz de defender o ódio e a intolerância o ano todo e na Páscoa chorar a morte de quem lutou exatamente contra tudo que ele ou ela realiza no dia a dia?

Será que não vale a pena refletir? Será que você está seguindo mesmo o que prega sua fé ou está seguindo um discurso de ódio cego implantando pela mídia contra todos e todas que lutam pelas mesmas causas que Jesus lutava?

Pense nisso! Sempre é tempo de repensar as ações e vir lutar do lado dos justos, que, curiosamente, até hoje são atacados pelos fariseus!

Até a próxima.

* Pedro Luiz Teixeira de Camargo (Peixe) é Biólogo e Professor, Especialista em Gestão Ambiental e Mestre em Sustentabilidade. Atualmente é Doutorando em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela UFOP/MG.

Close