Carnaval eclético: Ouro Preto teve shows de samba raiz e hip hop no Palco Orlando Tropia nesse sábado (22)

Destaques

Divinópolis registra duas mortes por coronavírus; uma das vítimas era médica de 46 anos

A cidade de Divinópolis, localizada na região Centro-Oeste de Minas, teve suas duas primeiras mortes por coronavírus (COVID-19) confirmadas....

Secretaria de Saúde confirma 15 mortes por coronavírus em Minas Gerais

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou, na manhã desta quinta-feira (9), mais um Informe...

Comércios estão proibidos de funcionar a partir de hoje (9), em Belo Horizonte

Começa a valer hoje (9) o Decreto 17.328/2020, que proíbe o funcionamento de todas as atividades comerciais de Belo...

Mariana descarta suspeita de coronavírus em dois óbitos investigados na cidade

O Secretário de Saúde do município de Mariana, Danilo Brito, e o prefeito da cidade, Duarte Junior, vieram as...

Como trabalhar em casa e cuidar dos filhos ao mesmo tempo: dicas para pais em home office nesta quarentena

O isolamento social, arma principal para o combate ao coronavírus, trouxe uma série de questões para todos nós. De...

O Palco Orlando Tropia, localizado em frente à Escola Estadual Dom Pedro II, teve um carnaval eclético para os foliões, nesse sábado (21), em Ouro Preto. Com o grupo Fundo de Panela, o espaço foi inaugurado e, mesmo com chuva, teve um samba raiz, que não poderia dicar de fora do evento.

A banda Fundo de Panela trouxe aquela tradicional roda de samba e tocaram sucessos de Alcione, Benedito de Paula, Adorinan Barbosa, Cartola e etc.

“Com toda essa variedade musical no carnaval de Ouro Preto, a gente optou pelo samba. É importante os jovens de hoje ouvirem esse som que tem 50, 60 anos já, porque esses artistas, em maioria, já se foram, mas a música deles fica. Todo mundo vai passar por esse mundo, vai embora, mas o samba fica”, comentou José Reis, vocalista do Fundo de Panela.

Cultura urbana

Carnaval de Ouro Preto teve shows de samba e hip hop
Crédito da foto: Rômulo Soares / Mais Minas

Após o show do grupo Fundo de Panela, artistas da cultura das ruas trouxeram o melhor do funk, hip hop e música eletrônica, fazendo com que o Palco Orlando Trópia se tornasse um espaço de diversidade cultural e de linearidade temporal da arte.

No primeiro momento, a dupla Nerfite e Osupa inauguraram as atividades da cultura de rua do carnaval de Ouro Preto. Dentre as músicas tocadas pelos DJs, o destaque ficou para as músicas de trap de Sidoka, do hip hop Rincon Sapiência e o funk de Anitta.

“O hip hop no carnaval de Ouro Preto, primeiramente, para mim, chega como uma forma de resistência, porque é uma música da comunidade que não é ouvida. Isso para mim é um ato político. Muitos gêneros nascidos do hip hop, como o funk, fala de drogas e sexo, mas querendo ou não, é um tipo de resistência porque é um tipo de música do morro”, comenta a DJ Osupa.

Após a dupla Nerfite e Osupa, o DJ Pátrida entrou no palco e trouxe um estilo musical bem diferente do comum, a rave, que está ganhando espaço nos bailes de favela. Esse tipo de música eletrônica está presente na evolução do gênero hip hop, sendo uma de suas vertentes.

“Eu acho que o carnaval de Ouro Preto, além de tradicional, tem um gancho para o novo também. E está tudo misturado, é um espaço bem aberto, carnaval, afinal de contas é isso, diversidade de pessoas e de musicalidade também”, comenta DJ Pátrida.

Além de músicas eletrônicas, o DJ Pátrida também remixou algumas canções já famosas do hip hop hidrogenadas nas remixagens. Com isso, o Palco Orlando Tropia se tornou um espaço plural com diversos estilos para o carnaval de Ouro Preto.

Veja também: Bloco do Caixão e Blocos Caricatos marcaram tarde de sábado em Ouro Preto

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:


- Advertisement -

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail: