Cerca de 235 pessoas serão retiradas das proximidades da Barragem do Doutor em Antônio Pereira, distrito de Ouro Preto

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a Defesa Civil de Minas Gerais informou que quase 80 famílias do distrito de Antônio Pereira, em Ouro Preto, serão retiradas de casa devido ao aumento para o nível dois de risco da Barragem do Doutor, da mineradora Vale.

Com o nível dois de risco da barragem, é recomendada a retirada de pessoas da chamada zona de autossalvamento. A Defesa Civil informou ainda que a Barragem do Doutor tem o triplo da quantidade de rejeitos que tinha a que se rompeu em Brumadinho, porém, de acordo com a Vale, não há risco de rompimento.

A retirada dessas pessoas começou na quinta-feira (9) e vai até o dia 30 de abril. A maioria das famílias vai para casas alugadas pela Vale, que garantiu ter cerca de 70 casas disponíveis.

Segundo o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, 61 famílias começam a ser retiradas a partir desta terça-feira (14).

“Estamos indo pra Ouro Preto para iniciarmos a evacuação de 61 famílias na região de Antonio Pereira. Serão um total de 235 pessoas, sendo 28 idosos e 211 animais. O processo funciona da seguinte forma: as famílias visitam as casas e, se aprovarem, já começa a mudança imediatamente. As famílias retiradas recebem auxílio de 5 mil reais. A evacuação será feita de forma individualizada, por causa da pandemia, e vai ser um processo mais lento de evacuação. Como a barragem está no nível dois, é possível fazer dessa maneira”, explica o tenente-coronel.

Em nota, a Vale informou que 11 das 78 famílias já foram realocadas e que “o cronograma de remoção das famílias da ZAS segue, até o final de abril, cumprindo os protocolos de saúde e segurança recomendados diante do quadro de pandemia da Doença do Coronavírus (COVID-19)”.

Barragem do Doutor

Em fevereiro deste ano, a Prefeitura de Ouro Preto havia confirmado a retirada de 38 famílias de suas casas, no distrito de Antônio Pereira, localizado a 40 km da sede. Segundo o prefeito da cidade, Júlio Pimenta, na ocasião, a evacuação tem dois motivos: o descomissionamento da barragem de Doutor, localizada no distrito, e o risco de enchente do rio Tabuleiro, apresentando riscos para as moradias localizadas próximas de suas margens.

Em março de 2019, a Justiça determinou que as atividades na barragem fossem suspensas por conta do alto risco à comunidade de Antônio Pereira, distrito de Ouro Preto, na região central do estado.
De acordo com a decisão, a barragem só poderia voltar a funcionar depois que a mineradora Vale adotasse as medidas cabíveis de comprovação de segurança.
A Barragem Doutor, da mina de Timbopeba, pertence a mineradora Vale e tinha vistoria de segurança pela empresa TÜV SÜD, a mesma das barragens de Mariana e Brumadinho, que se romperam em 2015 e 2019, respectivamente.

Comentários