Como é a visita guiada ao Mercado Central de BH

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Coronavírus: crianças homenageiam profissionais da saúde de Congonhas

Os profissionais de saúde de Congonhas foram surpreendidos com palavras e desenhos de gratidão de dezenas de crianças congonhenses....

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

Cadastro para receber auxílio emergencial de R$ 600 começará na terça-feira (7)

O Governo Federal lança na próxima terça-feira (07.04) um aplicativo para os trabalhadores sem cadastro nos programas sociais inserirem...

Como higienizar compras feitas por delivery durante a quarentena

Os brasileiros que já estavam se adaptando aos aplicativos que oferecem o serviço de delivery de comida pronta, como...

Sempre que visitamos uma nova cidade procuramos logo pelo mercado local: municipal, central, ou seja, lá o nome que tiver! Quase sempre é nos mercados que encontraremos a alma da cidade!

Em Belo Horizonte não é diferente. O Mercado Central é de 1929 e foi criado por uma iniciativa do então prefeito da cidade Cristiano Machado, com o intuito de reunir num só local o abastecimento de toda a capital. Em 1964 o prefeito João Carone decidiu vendê-lo e os comerciantes uniram-se e decidiram comprar o Mercado da prefeitura. Hoje eles são os donos do Mercado, que é gerido por um conselho administrativo eleito pelos próprios comerciantes.

Ao longo dos anos os produtos foram se tornando cada vez mais diversificados, acompanhando o crescimento da capital e surgimento de novas ofertas. Contudo o carro chefe sempre foi, e ainda são, os produtos regionais: queijos, cachaças, doces, artesanato mineiro, carnes, embutidos. Se é produzido em Minas, tem boa chance de ser encontrado no Mercado.

Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

É muito fácil se perder no Mercado Central: os corredores são circulares, e um círculo sobrepõe-se ao outro, sendo que em pontos específicos eles se ligam. Sair de um dos corredores circulares para acessar o outro é garantia quase certa de se perder, mas isto não é problema algum: primeiro porque é uma delícia passear por lá, e eu mesma já encontrei várias coisas legais nestes momentos em que estava perdida. Segundo, porque não há nada que a famosa paradinha para perguntar não resolva: os comerciantes te ajudam a achar a saída mais próxima ou a localizar aquela loja que você procura.

Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

Na entrada principal, na Avenida Augusto de Lima 744, há um balcão de informações onde é possível retirar um mapinha, com o indicativo de todas as lojas. É de lá que partem também as visitas guiadas. Agendamos a nossa por email e foi muito simples: a resposta chegou rápido. De acordo com o site o agendamento também pode ser feito pelo telefone. Veja todas as informações para agendar sua visita ao final do post.

Realizei a visita acompanhada por uma amiga e o horário agendado para nós foi às 15hs de uma quarta-feira. Neste dia éramos só nós duas, imagino que em dias de semana seja bastante pequena a procura pelo serviço.

A visita percorre todos os setores do Mercado, passando pelos artesanatos, restaurantes, e queijarias, onde há uma parada para degustação. Como nem tudo são flores há uma parte não muito legal: a área de venda de animais. São filhotes de cães, gatos, coelhos e aves presos em gaiolas minúsculas, num ambiente abafado e bastante barulhento. Pudemos escolher se queríamos ou não passar por este setor e nós optamos por não fazê-lo.

Fomos ao segundo andar, onde há o estacionamento, a Capela de Nossa Senhora de Fátima (tem missa todo domingo as 07 hs) e o projeto Cozinha Escola. Trata-se de uma parceria do Mercado com a faculdade privada UNA, em que são oferecidos cursos de culinária aberto ao público, gratuitos, como modo de divulgar e manter a tradição da cozinha mineira. Os cursos são sempre divulgados no site do Mercado.

Um clássico no Mercado é a venda de frutas frescas em pedaço, excelentes opções para aplacar o calor: sim, BH quase sempre é bem quente – Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

Descendo novamente percorremos mais alguns corredores e encerramos a visita na Cachaçaria Dama da Noite. Thiago, neto do fundador,  nos recebeu e lá pudemos provar os vários tipos de cachaça produzido por eles. Escolhi a minha preferida e trouxe uma garrafa comigo. Os preços são excelentes e o produto tem ótima qualidade, vale muito a pena.

Parte dos produtos oferecidos pela Cachaçaria Dama da Noite: o produto é artesanal e na loja é possível degustar antes de escolher. São várias as opções de tamanho – Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

São muitas as opções para presentear ou levar aquela lembrança da capital e do Estado: além dos queijos, doces e cachaças, encontramos também camisas, bonés, bottons, etc. – Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

São muitas as opções de artesanato mineiro: aqui vemos peças da região do Vale do Jequitinhonha – Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

Encerramos ali a visita, que durou aproximadamente 40 minutos. Os guias te deixam à vontade para fazer compras e fotografar durante o passeio, então este tempo pode variar de acordo com o tamanho e interesse de cada grupo.

Os doces também têm destaque no Mercado, com grande visibilidade para o doce de leite e a goiabada – Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

Se tem um lugar nesta cidade que todo belorizontino se orgulha este lugar com certeza é o Mercado Central. São tantos aromas, texturas e sabores que a gente fica até meio zonzo! É um lugar para comprar, passear, visitar e acima de tudo, sentir! Várias regiões de Minas Gerais estão ali representadas. Difícil explicar, só indo mesmo.

O famoso bule esmaltado, acompanhado das canecas, são facilmente encontrados por lá – Credito da foto: Vanessa Barreto/O Queijo Vai na Mala

Se você vem a BH, não deixe de agendar sua visita guiada e se você é da cidade que tal viver “um dia de turista” e ser guiado pelo nosso querido Mercado?

 

Mercado Central de BH:

Avenida Augusto de Lima 744, Centro. Belo Horizonte-MG.

Funcionamento: Segunda a sábado, das 7h às 18h. Domingos e feriados, das 7h às 13h.

A visita guiada gratuita conta com guias bilíngues e é realizada de segunda a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos e feriados, das 9h às 13h, com passeios monitorados para grupos de até 20 pessoas por vez.

Agende sua visita pelo email: [email protected] ou telefone 31 3277.4691. Basta informar nome dos participantes e cidade de origem. Duração: aproximadamente 40 minutos.

Dica importante: Se possível visite o Mercado em dias de semana, fora do horário de “rush”. Aos finais de semana fica sempre bem cheio! Se a única possibilidade para a visita for sábado ou domingo a dica é CHEGAR CEDO.

 

- Advertisement -