O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Pastoral busca doações para proteger moradores de rua do coronavírus

Rodolpho Bohrer 20 de março de 2020 às 22:00
Tempo de leitura
3 min

“A população de rua não tem acesso à proteção e segurança neste momento tão grave da pandemia do Covid-19. Para minimizar o sofrimento dessa população, a Pastoral Nacional do Povo de Rua está articulando duas frentes de trabalho”, disse a Irmã Cristina Bove Roletti, da Pastoral de Rua de Belo Horizonte.

A primeira frente é apontar recomendações, junto com as Defensorias Públicas, para implementar as políticas públicas das prefeituras para as pessoas em situação de rua. E a segunda é sensibilizar a sociedade civil, por meio do projeto Rua do Respeito, para prestar apoio a esse grupo.


Por integrar o Rua do Respeito, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) divulga a iniciativa da Pastoral de Rua voltada para arrecadar doações, por meio de depósito em conta bancária.

O montante doado será destinado à compra de alimentos, produtos de higiene e de proteção, como máscaras, luvas e álcool gel, a serem distribuídos aos moradores de rua de Minas Gerais.

“A população em situação de rua é um grupo hipervulnerável, que não tem moradia, tem dificuldade de acesso à água potável, sofre com a alta incidência de doenças respiratórias como tuberculose, além de envelhecimento precoce”, afirma o juiz Sérgio Fernandez, da 23ª Vara Cível da capital.

“A preocupação com os efeitos da pandemia nessa população é notória nos países já atingidos. Essa iniciativa visa ajudá-la, não descuidando da saúde dos voluntários, de acordo com os ditames da Organização Munidal de Saúde (OMS)”, completa o juiz, que, junto com o desembargador Lailson Baeta, representam o TJMG no projeto Rua do Respeito.

Rua do Respeito

O projeto busca dar efetividade a políticas públicas e ações sociais voltadas para a população de rua, a partir dos eixos acesso a direitos, à saúde, combate ao preconceito, direito à moradia e ao trabalho.

Inicialmente executado por meio da cooperação técnica entre o Poder Judiciário, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Serviço Voluntário de Assistência (Servas), o projeto tem agregado outras instituições.

Atualmente, o Rua do Respeito tem como parceiros o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público Federal (MPF), universidades — UFMG, Newton Paiva e PUC Minas —, o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), além de várias outras entidades, que, juntas, executam ações para tentar transformar a realidade de pessoas marginalizadas.

Contribuições

Associação Pastoral Nacional do Povo da Rua
CNPJ: 06.267.877/0001-20
Banco Itaú
Agência: 3319
Conta corrente: 10.712-8

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 13 de setembro de 2021 às 16:07