Domingo de Ramos: alegria e angústia

Destaques

Número de morte por coronavírus em Minas Gerais chega a dezessete

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou, na manhã deste sábado (10), mais um Informe...

Sons of Anarchy: a apaixonante série que une motocicletas, ação e muito drama

O período de isolamento social é uma ótima oportunidade para colocar as séries em dia ou começar a acompanhar...

Zema afirma que primeira parcela será paga para servidores na próxima quarta-feira (15)

O Governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), anunciou ontem (9), em coletiva no Palácio do Planalto, em Brasília,...

Programação de lives desta sexta-feira (10/04); shows na quarentena

Continuando com o trabalho de entreter os brasileiros que estão em casa por recomendação da Organização Mundial da Saúde...

Sexta-feira Santa: memória da Paixão e Morte de Jesus Cristo

Na Sexta-feira Santa, os cristãos relembram o sofrimento e a morte de Jesus. Segundo a tradição bíblica, naquele dia...

O Domingo de Ramos é o sexto domingo da Quaresma, é também o último domingo antes da Páscoa e o início da Semana Santa. Este domingo comemora a entrada de Jesus em Jerusalém. Esta celebração é na Igreja Católica associada à cor litúrgica vermelha e é onde os católicos relembram os últimos dias de Jesus da traição à ressurreição.

Conforme relatam os evangelistas Mateus, Lucas e João, Jesus e seus discípulos foram a Jerusalém para a Páscoa judaica. Quando chegaram ao Monte das Oliveiras, Jesus pediu a dois dos discípulos que procurassem um jumento e eles assim o fizeram. Jesus sentou-se e foi para Jerusalém. No caminho, uma multidão crescente se reunia para receber Jesus. Algumas pessoas cortaram galhos de oliveira e as espalham pelo caminho.

O jumento e os ramos de oliveira têm um significado especial na Bíblia, o que torna a entrada de Jesus um evento simbólico. Montar o jumento cumpriu a profecia de Zacarias do Antigo Testamento:

“Alegra-te muito, ó filha de Sião; exulta, ó filha de Jerusalém; eis que o teu rei virá a ti, justo e Salvador, pobre, e montado sobre um jumento, e sobre um jumentinho, filho de jumenta.

E de Efraim destruirei os carros, e de Jerusalém os cavalos; e o arco de guerra será destruído, e ele anunciará paz aos gentios; e o seu domínio se estenderá de mar a mar, e desde o rio até às extremidades da terra.” – Zacarias 9:9-10.

Enquanto o cavalo foi usado como montaria na guerra e simboliza luxo e arrogância, o burro é o símbolo da modéstia e não-violência do príncipe messiânico da paz. As folhas de oliveira têm sido um símbolo de homenagem e vitória desde os tempos antigos. Para os ocupantes romanos, a recepção de Jesus com galhos de palmeiras e seu passeio no burro podem ter sido uma provocação.

Ainda hoje, os galhos de oliveira têm um significado especial nesta data. Em algumas comunidades católicas, ocorrem procissões que recriam a história bíblica. Durante a bênção dos ramos, o padre borrifa os galhos com água benta, que os crentes levam para casa para protegê-los de danos e doenças.

- Advertisement -