O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Ministério Público pede suspensão das inscrições dos programas Sisu, Prouni e Fies

Rodolpho Bohrer 24 de janeiro de 2020 às 21:00
Tempo de leitura
3 min

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou à Justiça Federal, nesta sexta-feira (24), para que haja a suspensão das inscrições do primeiro semestre de 2020 dos três programas de acesso ao ensino superior: Sistema de Seleção Unificada (Sisu), Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e Programa Universidade para Todos (Prouni). Isso porque foram registradas várias reclamações quanto as correções das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

De acordo com a nota do Ministério Público, o pedido é para que haja não só uma suspensão das inscrições, mas também, que aconteça uma auditoria, após sugestão de especialistas da avaliação do Enem.
E também, a nota emitida pelo MPF solicita que sejam revisados todas as provas do Enem de 2019, não só dos que reclamaram. “É solicitado que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira realize nova conferência dos gabaritos de todos os candidatos que compareceram ao Enem 2019, de forma a garantir a idoneidade, a correção do resultado do exame e a correspondência entre o gabarito utilizado e a prova realizada pelo candidato”, diz a nota.


Além da suspensão das inscrições nos três programas de acesso ao ensino superior, o MPF também pede, através da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC) em Minas Gerais, para que haja uma resposta formal a todos que fizeram reclamações pedindo a revisão da correção da nota final do exame. E ainda, o Ministério Público pede que caso as medidas não forem cumpridas, que haja uma multa diária no valor de R$ 10 milhões ao Inep.

Erros nas notas do Enem

Diversas reclamações começaram a aparecer nas redes sociais com relatos de que tiveram o mesmo número de acertos ou notas próximas a zero mesmo com número alto de acertos. No total, foram cerca de 5.974 provas, 96,7% estavam concentrados em 4 cidades: Alagoinhas (BA); Viçosa (MG); Ituiutaba (MG) e Iturama (MG).

Com isso, o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), divulgaram um e-mail ([email protected]) para que os alunos que se sentiram afetados pudessem entrar em contato.

De acordo com Alexandre Lopes, presidente do Instituto, o erro apresentado teria sido cometido pela gráfica responsável por imprimir a prova e que o estudante que se sentiu prejudicado pelo erro, devia entrar em contato pelo e-mail se justificando.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 14 de setembro de 2021 às 15:56