Segundo IBGE, quatro em cada dez empresas fecharam devido à pandemia

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1,3 milhão de empresas que estavam com suas atividades encerradas temporária ou definitivamente na primeira quinzena de junho, 39,4% assinalaram que o foram pelas restrições condicionadas pelo novo coronavírus. O impacto ocorreu em empresas de diversos ramos, sendo 40,9% entre estabelecimentos comerciais, 39,4% de serviços, 37% da construção e 35% do ramo industrial.

E ainda, entre 2,7 milhões de empresas que estão ainda em atividade, 70% disseram que a pandemia teve um impacto negativo sobre o negócio e 16,2% declararam que o efeito foi pequeno ou inexistente. Entretanto, também tiveram 13,6% que afirmaram que a pandemia trouxe novas oportunidades e que o efeito foi positivo sobre a empresa.

Segundo o IBGE, o ramo mais prejudicado pela pandemia foi o de serviços , representando 74,4%, seguido pela indústria, 72,9%, construção (72,6) e comércio, 65,3%.

Foto: IBGE

Dificuldades

O estudo também aponta que sete em cada 10 empresas tiveram diminuição de vendas ou serviços comercializados na primeira quinzena de junho, em relação ao período anterior ao início da pandemia. As companhias de pequeno porte com até 49 funcionários foram as mais impactadas, em que 70.9% relataram redução nas vendas.

E ainda, a pesquisa aponta também que 63,7% das empresas em atividade tiveram dificuldades em fazer os pagamentos, sendo 64% empresas menores e 35% de maior porte.

Mudança na entrega

Com o distanciamento social, a oferta de produtos e serviços tiveram alterações, em 32,9% das empresas houve mudança no método de entrega de seus produtos e serviços, incluindo a mudança para serviços online e 20,1% relataram ter lançado ou passado a comercializar novos produtos e/ou serviços na primeira quinzena de junho.

Foto: IBGE

Situação do comércio em Minas

As cidades das regiões Norte e Sul de Minas Gerais que aderiram ao programa “Minas Consciente” poderão entrar na “Onda Amarela” a partir do próximo sábado (18). A informação foi anunciada pelo secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, nesta quinta-feira (16).

Com o avanço, comércios como salões de beleza, lojas de roupas, calçados, livrarias e papelarias poderão voltar o funcionamento nas regiões Norte e Sul de Minas.

Já as regiões Nordeste e Sudeste também terão avanço, da “Onda Verde” para a “Onda Branca” no próximo sábado. As regionais Centro-Sul e Leste do Sul já se encontram nesta fase de reabertura, em que é permitido o funcionamento de autoescolas, lojas de artigos esportivos e floriculturas.

Comentários