‘Éramos Seis’: por um mundo com mais Lolas

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Resultado da Mega-Sena 2249, Quina 5238 e outras loterias de sábado (04/04)

Aconteceu na noite deste sábado, 04 de abril de 2020, os sorteios da Mega-Sena, Dia de Sorte, Quina e...

Estudante da UFOP é encontrado sem vida e primeiro exame para Covid-19 dá negativo

O corpo de um homem de idade ainda não informada foi encontrado na noite dessa sexta-feira (4) dentro de...

Coronavírus: crianças homenageiam profissionais da saúde de Congonhas

Os profissionais de saúde de Congonhas foram surpreendidos com palavras e desenhos de gratidão de dezenas de crianças congonhenses....

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

É difícil assimilar a fragilidade da vida ou as reviravoltas do destino. No decorrer da vida, planos são criados, ideias são colocadas no papel, sonhos são refletidos no olhar. A cada indivíduo que nasce neste planeta lhe é incumbido a esperança de dias melhores. Uma tarefa árdua, uma vez que a vida parece um jogo de obstáculos. Mas, enquanto houver o brilho da vida, a esperança viverá e se renovará.

O remake de “Éramos Seis”, escrito por Ângela Chaves, baseado na versão exibida no SBT em 1994, escrita por Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho, fala justamente sobre as voltas que a vida dá. Uma família unida que é separada pelas circunstâncias da vida e pelos desejos individuais que muitas vezes não se associam ao coletivo e acabam provocando caminhos aleatórios.

A Lola de 2019 foi tão forte e sensível quanto as Lolas de 1994 (SBT) 1977 (Tupi), 1967 (Tupi) e 1958 (Record). Ela conseguiu superar as adversidades da vida, as crises financeiras, os problemas de saúde do marido e as personalidades diferentes de seus quatro filhos: Carlos (Xande Valois/Danilo Mesquita), Alfredo (Pedro Sol/Nicolas Prattes), Julinho (Davi de Oliveira/André Luiz Frambach) e Isabel (Maju Lima/Giullia Buscacio).

Como uma uma muralha, Lola se manteve forte até o fim, mas, como toda muralha tem suas brechas, a personagem sentiu o impacto de cada um desses problemas. Nada disso impediu a personagem de ser a mola propulsora da família Lemos e da transmissão do amor, representando a força e a luta de todas as mulheres.

Todos os personagens seguiram por caminhos intensos e interessantes na história. Caminhos que os levaram por vários lados e os confrontou com várias situações; muitos deles com conotações trágicas e tristes, e outros com momentos de alegria e felicidade.

Lola possui um espírito de luta que se manifesta no seu olhar, ainda que doce e encantador. Gloria Pires, sua intérprete na versão atual brilhou como nunca. Alguns percursos da personagem tomaram rumos diferentes de suas versões antecessoras, o que é perfeitamente natural, já que os tempos são outros, mas nada disso tirou a sua essência.

Quem pode entender o porquê das circunstâncias da vida? No curso natural de nossas vidas, existem circunstâncias que não são claras a olho nu, nas quais nos perguntamos por que fizemos o que fizemos para passar por aquilo, mas não acabamos não encontrando uma razão lógica.

“Éramos  Seis” mostrou que a vida tem um sabor agridoce, mas é nosso dever garantir que esse sabor não seja tão azedo para o paladar, compreendo que tudo muda, que as coisas se reciclam, que os caminhos se desviam, mas, no final, tudo se resolve, todos se encontram.

 

- Advertisement -