Férias: perigo do uso do cerol e da linha chilena em pipas

Por

Julho é o mês das férias e a criançada aproveita para brincar em tempo integral, seja em casa ou na rua. E uma das brincadeira preferidas por elas é soltar pipas. Porém, esse momento pode ser bem perigoso para ela e para as outras pessoas, caso haja a utilização do cerol ou da linha chilena.

Cerol e linha chilena

O cerol é uma mistura de cola de madeira com vidro moído, que as crianças passam na linhas das pipas para que consigam cortar a linha de outras pipas, em uma espécie de competição ou disputa. Entretanto, ela pode cortar mais do que só uma linha. O cerol também possui algumas modificações, como a utilização de pó de ferro no lugar do vidro moído. O pó de ferro ainda possui um agravante: ele pode conduzir eletricidade quando toca nos fios de alta tensão dos postes, causando choques elétricos e até a morte.

A linha chilena corta até quatro vezes mais que cerol. Para a fabricação da linha chilena, é utilizado óxido de alumínio e quartzo moído, conferindo um poder cortante muito grande.

Tanto o cerol quanto a linha chilena podem ser facilmente encontradas em algumas lojas, mesmo que a venda seja proibida. Para que seja difícil identificar a utilização da linha chilena caso haja uma fiscalização da polícia, as crianças colocam a pasta só em cima, perto da pipa. Mesmo diminuindo o tamanho do perigo, ele ainda existe.

Perigos e acidentes

O risco não é só para quem faz a utilização dos produtos, mas para todos que estão ao redor.

Motociclistas e ciclistas: Algumas vezes a pipa pode ficar descontrolada e acabar abaixando. A esticada pode atingir motociclistas ou ciclistas que passam na rua e acabar causando um corte no pescoço ou outra parte do corpo. Todos os anos, nesse mesmo período, são registrados vários casos de pessoas atingidas por cerol ou linha chilena.

Férias: Perigo do uso do cerol e da linha chilena em papagaios

Mulher morreu atingida por linha com cerol em Florianópolis no dia 21 de julho – Crédito da foto: PRF/Divulgação

 

No último dia 21, domingo, uma mulher foi atingida enquanto voltava para casa na Via Expressa em São José, Grande Florianópolis. A vítima teve o pescoço cortado por uma linha com cerol. Ela foi identificada como Josiane Marques e mesmo chegando a ser socorrida por outros motoristas e por socorristas, não resistiu aos ferimentos.

 

O motociclista Ivan Oliveira com as marcas do corte no pescoço – Crédito da foto: Mariana Durães/Hoje em Dia

Em 2018, também em julho, o motociclista Ivan Oliveira, de 25 anos, foi mais uma vítima. Felizmente, ele sobreviveu após passar por cirurgia, internação e 14 pontos no pescoço. Ivan ia para a casa de um amigo quando percebeu a linha com cerol passar e cortar seu pescoço de um lado ao outro. Ele pilotava sua moto na Avenida dos Andradas em Belo Horizonte. Em conversa com o Hoje em Dia, Ivan disse “Eu bobiei e estava com a antena abaixada na hora. A cena foi horrível. Era muito sangue e se não fosse o atendimento rápido dos guardas que passavam no momento, talvez eu não estaria aqui”. Ele chegou em estado muito grave no pronto socorro e teve que passar por cirurgia, além de seis dias de internação e afastamento do trabalho.

Atropelamento: Há também o risco de atropelamento das crianças. Quando conseguem cortar a pipa e ela cai, eles saem correndo em direção a ela e muitas vezes não se dão conta dos carros.

Veja algumas dicas de como soltar pipas em segurança:

  • As pipas devem ser empinadas longe de rede elétrica;
  • Evitar o uso das “rabiolas”, pois elas agarram nos fios elétricos e podem provocar choques;
  • Não utilizar papel alumínio na confecção das pipas, eles provocam curto-circuitos caso entrem em contato com fios elétricos;
  • Não tentar recuperar a pipa caso ela fique presa em alguma rede elétrica. Subir em telhados ou postes não é seguro;
  • Também há o risco de choque. Tentar tirá-la com varas, bambus ou qualquer outro objeto também não é aconselhável;
  • Não se deve soltar pipas em dias de chuva. A pipa funciona como para-raios e conduz a carga de energia;
  • Não empinar pipas em cima de lugares altos com risco de queda, como lajes e telhados;
  • Nunca utilizar linha metálica ou qualquer outro metal na pipa;
  • Evitar empinar em lugares movimentados, próximo a ruas e com passagem de carros.

Ciclistas e motociclistas: Utilizem a antena de proteção em suas conduções, ela pode evitar um acidente.

Campanha Nacional “Cerol Não”

A Campanha Nacional “Cerol Não” é um projeto social voluntário com duração indeterminada e não dispõe de nenhuma ajuda financeira governamental. A campanha funciona desde 2004.

Entre no site e confira mais detalhes sobre a campanha.

Se você ver algum grupo fabricando ou utilizando cerol e/ou linha chilena, entre em contato com a Polícia Militar no telefone 190.

Tags :

Postado em 29 de julho de 2019